sicnot

Perfil

Mundo

Tailândia pondera receber Austrália à porta fechada em memória do rei

Reuters

A Federação Tailandesa de Futebol (FTF) anunciou hoje que o jogo com a Austrália, do grupo B da fase asiática de qualificação para o Mundial2018, poderá ser disputado à porta fechada, em memória do rei Bhumibol Adulyadej.

Bhumibol Adulyadej, o monarca há mais tempo no poder, morreu na quinta-feira, aos 88 anos, depois de uma longa doença, pondo fim a um reinado de sete décadas.

"Temos de realizar o jogo", referiu o presidente da FTF, Somyot Poompanmoung, numa nota publicada na página oficial do organismo no Facebook, explicando que a Austrália recusou adiar o encontro ou reagenda-lo para outra altura.

O encontro, marcado para 15 de novembro, no estádio nacional Rajamangala, em Banguecoque, disputa-se após os 30 dias de luto, mas a FTF "ainda pondera se o jogo se realizará à porta fechada".

Ao fim de quatro jornadas, a Tailândia ocupa o sexto e último lugar do grupo B da qualificação asiática, ainda sem pontos.

O luto real é um tema sensível na Tailândia e já motivou vários incidentes por alguns tailandeses não trajarem de negro.

Os funcionários públicos devem vestir-se de negro durante um ano e grande parte da população já se manifestou disposta a cumprir o mesmo em memória de Bhumibol Adulyadej.

Vários concertos foram cancelados e o governo tailandês pediu "discrição" nos locais de entretenimento durante os 30 dias de luto.

Bhumibol Adulyadej era o monarca há mais tempo no poder e venerado na Tailândia, onde é visto como uma figura unificadora no país marcado por rivalidades políticas.

O monarca estava internado no hospital Siriraj, em Banguecoque, no exterior do qual estiveram concentradas centenas de pessoas a rezar pela saúde do rei.

O herdeiro do trono da Tailândia é o príncipe Maha Vajiralongkorn, de 64 anos, que tem vivido grande do tempo no estrangeiro.

  • Milhares de pessoas prestam homenagem ao Rei da Tailândia
    1:04

    Mundo

    Milhares de pessoas continuam a deslocar-se a Banguecoque, para prestar homanagem ao rei da Tailândia. Bhumibol morreu na quinta-feira e o país continua de luto. Ainda não há data para a cremação, até lá o corpo vai ficar para ser venerado no Grande Palácio.

  • O polémico futuro rei da Tailândia

    Mundo

    No poder há 70 anos, o rei Bhumibol Adulyadej era adorado pelos tailandeses. A sua morte arrasou a Tailândia, deixando o país perante um futuro de incertezas. Na sucessão ao trono está o filho mais velho, Maha Vajiralongkorn. A questão que fica é apenas uma: quem é realmente o herdeiro ao trono tailandês? Por entre casamentos falhados e um cão condecorado, conheça aqui o possível futuro rei da Tailândia.

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.