sicnot

Perfil

Mundo

EUA asseguram que Coreia do Norte vai pagar um preço pelas ações perigosas

© Yuri Gripas / Reuters

Os Estados Unidos asseguraram esta quarta-feira que a Coreia do Norte vai "pagar um preço" pelas suas "perigosas ações" e prometeu instalar o mais depressa possível o seu escudo antimíssil na Coreia do Sul.

"Temos de assegurar que a Coreia do Norte paga um preço pelas suas perigosas ações, enquanto trabalhamos para a desnuclearização pacífica da península coreana", disse o secretário de Estado, John Kerry, em Washington, durante um encontro com representantes da Coreia do Sul.

John Kerry recordou que os Estados Unidos estão a "negociar" no Conselho de Segurança da ONU novas sanções contra a Coreia do Norte, devido ao último lançamento, ocorrido a 09 de setembro.

O secretário da Defesa norte-americano, Ashton Carter, que também esteve presente no encontro, assegurou que o "recente e drástico aumento dos testes nucleares da Coreia do Norte e o lançamento de mísseis balísticos recordam a grave ameaça que representam para a segurança" dos Estados Unidos, Japão e Coreia do Sul.

"À luz daqueles atos de provocação, a nossa postura de defesa coordenada deve ser robusta e a nossa dissuasão deve ser credível", salientou Ashton Carter.

"Se a Coreia do Norte continua a violar as leis internacionais sofrerá sanções ainda mais duras, uma maior pressão e ficará cada vez mais atrasada em relação ao resto da região", alertou John Kerry.

Lusa

  • Obras no Miradouro de São de Pedro de Alcântara não foram a concurso
    2:50

    País

    As obras no Miradouro de São Pedro de Alcântara, em Lisboa, arrancaram esta segunda-feira. A intervenção foi adjudicada à construtora Teixeira Duarte sem concurso público. A autarquia justifica esta decisão com o caráter urgente da obra, argumento que não consta do relatório do Laboratório Nacional de Engenheria Civil, a que a SIC teve acesso.

  • Rajadas de vento em Moscovo atingem os 110 km/hora
    0:57

    Mundo

    A passagem de uma tempestade por Moscovo fez pelo menos 11 mortos e mais de 50 feridos. Os ventos fortes, que chegaram aos 110 km/hora, destruíram carros e telhados e provocaram atrasos nos transportes. Na região de Stavropol, mais de 60 mil pessoas foram retiradas de casa por perigo de cheias.