sicnot

Perfil

Mundo

Executado príncipe saudita por homicídio

© Reuters

As autoridades sauditas executaram um jovem príncipe condenado, em 2012, pelo assassínio de um compatriota, num raro caso de aplicação da pena capital a um membro da família real saudita.

De acordo com um comunicado do Ministério do Interior saudita, divulgado pelos media locais, o príncipe Turki bin Saud foi executado na terça-feira.

Turki bin Saud foi condenado à morte por ter matado a tiro Adel Suleiman al Mohaimid, durante um confronto entre vários jovens na zona rural de Al Zamama, a leste da capital saudita, Riade.

A vítima era amigo de Turki, que na altura do incidente estava embriagado, escreveram os meios de comunicação sauditas em 2012, afirmando tratar-se de um homicídio involuntário.

A família de Al Mohaimid insistiu na execução do príncipe e recusou a diyah, uma compensação financeira paga pelo agressor aos familiares da vítima para obter perdão em crimes de homicídio, agressões ou danos materiais.

Turki não é descendente direto do fundador do reino saudita, o rei Abdelaziz al Saud, pai do atual monarca, Salman bin Abdelaziz, mas de outro ramo da dinastia Al Saud, que reina na Arábia Saudita desde 1932.

Esta não é a primeira vez que é executado um membro da família real saudita. Em 1975, o príncipe Faisal bin Masaed foi executado pelo homicídio do tio paterno, o rei Faisal.

Em 2014, o príncipe Fahd bin Nayef matou um jovem, mas foi perdoado pela família da vítima.

As condenações à morte têm de ser ratificadas pelo rei e desde que Salman bin Abdelaziz subiu ao trono, em 2015, as execuções aumentaram de 88 em 2014 para 158 no ano passado, denunciaram organizações de defesa dos direitos humanos.

A organização não-governamental Human Rights Watch (HRW) indicou que, em finais de julho passado, as autoridades sauditas aplicaram a pena de morte a 108 pessoas desde o início do ano.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.