sicnot

Perfil

Mundo

Executado príncipe saudita por homicídio

© Reuters

As autoridades sauditas executaram um jovem príncipe condenado, em 2012, pelo assassínio de um compatriota, num raro caso de aplicação da pena capital a um membro da família real saudita.

De acordo com um comunicado do Ministério do Interior saudita, divulgado pelos media locais, o príncipe Turki bin Saud foi executado na terça-feira.

Turki bin Saud foi condenado à morte por ter matado a tiro Adel Suleiman al Mohaimid, durante um confronto entre vários jovens na zona rural de Al Zamama, a leste da capital saudita, Riade.

A vítima era amigo de Turki, que na altura do incidente estava embriagado, escreveram os meios de comunicação sauditas em 2012, afirmando tratar-se de um homicídio involuntário.

A família de Al Mohaimid insistiu na execução do príncipe e recusou a diyah, uma compensação financeira paga pelo agressor aos familiares da vítima para obter perdão em crimes de homicídio, agressões ou danos materiais.

Turki não é descendente direto do fundador do reino saudita, o rei Abdelaziz al Saud, pai do atual monarca, Salman bin Abdelaziz, mas de outro ramo da dinastia Al Saud, que reina na Arábia Saudita desde 1932.

Esta não é a primeira vez que é executado um membro da família real saudita. Em 1975, o príncipe Faisal bin Masaed foi executado pelo homicídio do tio paterno, o rei Faisal.

Em 2014, o príncipe Fahd bin Nayef matou um jovem, mas foi perdoado pela família da vítima.

As condenações à morte têm de ser ratificadas pelo rei e desde que Salman bin Abdelaziz subiu ao trono, em 2015, as execuções aumentaram de 88 em 2014 para 158 no ano passado, denunciaram organizações de defesa dos direitos humanos.

A organização não-governamental Human Rights Watch (HRW) indicou que, em finais de julho passado, as autoridades sauditas aplicaram a pena de morte a 108 pessoas desde o início do ano.

Lusa

  • Google Maps esconde mansão de Puigdemont na Bélgica

    Mundo

    Depois de fugir de Espanha, Carles Puigdemont refugiou-se na Bélgica para evitar uma possível extradição. O refúgio que encontrou foi uma mansão no município de Waterloo, por 4.400 euros ao mês. Agora, a pedido do ex-presidente do Governo da Catalunha, essa mesma mansão foi "apagada" do Google Maps.

    SIC

  • 50 empresas estão a recrutar na Universidade Católica
    1:46

    Economia

    A Universidade Católica de Lisboa reuniu 50 empresas nacionais e internacionais numa feira de emprego esta terça-feira e amanhã. As empresas procuram novos candidatos para os lugares que têm disponíveis nos departamentos de Economia, Finanças e Gestão.