sicnot

Perfil

Mundo

Número de crianças vítimas do conflito no Afeganistão não para de aumentar

© Omar Sobhani / Reuters

O número de crianças afegãs vítimas do conflito entre talibãs e as forças de segurança está "em aumento constante desde 2013", alertaram esta quarta-feira as Nações Unidas, apelando a "todas as partes" que poupem a população civil.

Numa altura em que os "combates atingem cada vez mais zonas densamente povoadas, é imperativo que as partes tomem medidas imediatas para poupar os civis", afirma, num comunicado, o chefe da missão de assistência da ONU no Afeganistão (Manua), Tadamishi Yamamoto.

Nos primeiros nove meses de 2016, 8.397 civis foram vítimas de combates, atentados ou engenhos explosivos, 2.562 dos quais morreram e 5.835 ficaram feridos, segundo os números divulgados hoje pela ONU.

O número representa uma redução de um por cento em relação ao mesmo período de 2015, mas "o número de crianças vítimas continua a aumentar ano após ano desde 2013", tendo registado um aumento de 15% entre os primeiros nove meses de 2015 e o período homólogo de 2016.

"Entre janeiro e setembro de 2016, 2.461 crianças foram registadas como vítimas, das quais 639 mortas e 1.822 feridas", afirma o texto.

As principais causas, sublinha a ONU, são "os combates no terreno, seguidos dos ataques suicidas e dos engenhos explosivos improvisados".

Sobre minas e bombas abandonadas, precisa a organização, o número total de vítimas diminuiu 22%, mas "84% das vítimas" deste tipo de incidente "são crianças", explicou Danielle Bell, diretora do departamento de direitos humanos da missão.

A ONU sublinha também que a contra-ofensiva das forças governamentais face aos grupos insurgentes no leste se tem revelado especialmente mortífera para os civis, com 23% do total de vítimas -- 623 mortos e 1.274 feridos -, mais 42% em relação ao ano anterior.

"A intensificação dos combates no terreno é a primeira causa", com 39% das vítimas, mas a missão "preocupa-se igualmente com o número crescente de vítimas dos ataques aéreos das forças pró-governamentais", que fizeram 133 mortos e 159 feridos entre os civis, "mais 72% que em 2015".

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.