sicnot

Perfil

Mundo

Milhares de pessoas fazem fila para visitar o caixão do rei da Tailândia

© Jorge Silva / Reuters

Dezenas de milhares de tailandeses deslocaram-se hoje ao Grande Palácio de Banguecoque, onde a população foi autorizada a entrar, pela primeira vez, na sala do trono, onde se encontra o corpo do rei Bhumibol Adulyadej.

© Jorge Silva / Reuters

Bhumibol, que morreu há duas semanas, era adorado por muitos dos seus súbitos e visto como uma âncora de estabilidade num país frequentemente abalado por uma política turbulenta.

A sua morte, aos 88 anos, fez o país entrar num ano de luto oficial, com a maioria dos tailandeses a vestirem apenas roupas pretas e brancas.

Nas duas últimas semanas, multidões juntaram-se no exterior do Grande Palácio, um complexo de templos e pavilhões sumptuosos na zona antiga de Banguecoque, para prestarem homenagem junto do retrato do monarca.

No entanto, hoje foi a primeira vez que o público pôde entrar na sala do trono, onde o seu corpo descansa deitado num caixão.

"Estou à espera desde a 01:00", disse Saman Daoruang, de 84 anos, enquanto esperava na fila em 's' que ocupava um vasto terreno junto ao palácio.

Segundo as autoridades, cerca de 10 mil pessoas vão poder entrar na sala por dia, em pequenos grupos.

Tal como muitos outros, Saman tem dormido numa tenda desde que chegou a Banguecoque de comboio, vindo da província de Nakhon Sawan, no norte do país.

"Não tenho sido capaz de dormir porque estava tão entusiasmado e orgulhoso de aqui vir", disse à AFP, enquanto segurava vários retratos do monarca.

© Athit Perawongmetha / Reuters

Bhumibol Adulyadej era considerado o único "cimento" de uma nação muito dividida politicamente e tinha um estatuto de semideus. Subiu ao trono em 1946 após a inexplicável morte de seu irmão e muitos tailandeses nunca conheceram outro soberano.

Após a sua morte, o chefe da junta militar, que tomou o poder em 2014, anunciou um período de luto de um ano e uma redução de todas as atividades de divertimento durante 30 dias. As televisões com emissões difundidas na Tailândia apenas poderão apresentar programas relacionados com a casa real, também no decurso de 30 dias.

Intensificou também a aplicação das leis de lesa-majestade, que punem as críticas à monarquia com até 15 anos de prisão por ofensa.

Esta lei reprimiu a discussão pública sobre o herdeiro ao trono, o príncipe Maha Vajiralongkorn.

Ao contrário de todas as expectativas, algumas horas depois da morte de Bhumibol, o príncipe herdeiro, de 64 anos, disse necessitar de tempo antes ocupar o lugar de seu pai.

Lusa

  • Conselheiro com 96 anos do rei será o monarca regente na Tailândia
    0:17

    Mundo

    A Tailândia vai ter um regente nomeado até que o rei seja cremado e o príncipe possa ser coroado, o que só acontecerá daqui a um ano. O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro tailandês na televisão, onde confirmou que o príncipe quer suceder ao trono mais tarde, depois das formalidades religiosas e monárquicas e depois do convite do Parlamento.

  • Milhares de pessoas prestam homenagem ao Rei da Tailândia
    1:04

    Mundo

    Milhares de pessoas continuam a deslocar-se a Banguecoque, para prestar homanagem ao rei da Tailândia. Bhumibol morreu na quinta-feira e o país continua de luto. Ainda não há data para a cremação, até lá o corpo vai ficar para ser venerado no Grande Palácio.

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.