sicnot

Perfil

Mundo

Alepo pode tornar-se um gigantesco cemitério

© Omar Sanadiki / Reuters

A parte oriental da cidade síria de Alepo (norte) está em risco de se tornar "um gigantesco cemitério" caso os combates continuem e a ajuda humanitária permaneça bloqueada, alertou esta quarta-feira um alto funcionário da ONU.

Numa intervenção no Conselho de Segurança da ONU, reunido hoje numa sessão de emergência após um pedido da França, o responsável das operações humanitárias das Nações Unidas, Stephen O'Brien, indicou que cerca de 25 mil civis terão fugido da zona leste de Alepo (parte controlada pelos rebeldes) desde sábado.

Estas pessoas, segundo o representante, fugiram para a zona oeste de Alepo, controlada pelas forças governamentais, ou para outras áreas vizinhas.

Stephen O'Brien relatou que dezenas de pessoas terão perdido a vida num raide aéreo ocorrido hoje de manhã, mas sem dar mais pormenores.

"É provável que outros milhares irão fugir se os combates se prolongarem e se intensificarem nos próximos dias", reforçou.

O representante assinalou ainda a falta de ambulâncias no terreno: "Os feridos estão a ser transportados em carrinhos de vegetais".

"Apelamos, suplicamos mesmo, que as partes em conflito e aqueles que têm influência façam tudo o que for possível para proteger os civis e permitir o acesso à parte sitiada de Alepo leste antes que ela se transforme num gigantesco cemitério", declarou.

"Já não há mais limites, nem linhas vermelhas para atravessar, as regras da guerra (...) têm sido sistematicamente violadas na Síria", frisou.

As Nações Unidas têm medicamentos e géneros alimentares armazenados para fornecer às dezenas de milhares de pessoas que estão nesta área e os camiões da organização internacional estão prontos para entrar na zona leste de Alepo.

"Por isso é vital que o governo sírio permita o deslocamento do nosso pessoal a Alepo com toda a segurança e sem restrições indevidas", insistiu Stephen O'Brien.

O responsável afirmou estar "extremamente preocupado" com os cerca de 250.000 habitantes que ainda permanecem na zona leste de Alepo.

"Estas pessoas estão sitiadas há 150 dias e não têm os meios para sobreviver muito mais tempo", advertiu, concluindo que, até à data, "os apelos, os pedidos e até as exigências do Conselho têm sido largamente ignorados" pelas fações envolvidas no conflito.

Mais de 300.000 pessoas foram mortas e milhões obrigadas a fugir desde o início da guerra na Síria, há quase seis anos.

Lusa

  • Encontrado corpo de mariscador desaparecido no Barreiro

    País

    O corpo do homem com cerca de 50 anos apareceu esta manhã junto ao Clube Naval do Barreiro, na mesma zona onde tinha desaparecido na noite deste sábado. A informação já foi confirmada à SIC pela Polícia Marítima, que adiantou que o corpo já foi levado para a morgue. O alerta foi dado por volta das 22:30 de ontem pelos companheiros de nacionalidade chinesa que estavam com a vítima na apanha de bivalves na margem sul do Tejo.

  • Mais de duas mil pessoas retiradas do fogo junto ao parque Doñana, no Sul de Espanha

    Mundo

    O incêndio florestal começou ainda na noite deste sábado na aldeia de Las Peñuelas de Moguer, na província de Huelva e obrigou à evacuação de várias localidades e à retirada de mais de duas mil pessoas, de vários alojamentos turísticos (incluindo o Parador de Mazagon, dois parques de campismo e um hotel). Foi ainda ativado o plano de emergência da província.

  • Portugal "precisa avançar no trabalho" para reduzir crédito malparado
    1:36

    Economia

    Bruxelas recomenda e insiste que o Governo português avance no trabalho para resolver o crédito malparado. Em entrevista à SIC e ao Expresso, o vice-Presidente da Comissão para o Euro e Estabilidade Financeira, Valdis Dombrovskis, adianta que Bruxelas está também a preparar um Plano de Ação ao nível europeu.

    Entrevista SIC/Expresso

  • Líder do Daesh abatido durante fuga

    Daesh

    Um líder do Daesh e o assistente foram abatidos pela polícia iraquiana, em Mossul. A notícia é avançada pela agência EFE que esclarece que os dois homens terão sido mortos enquanto fugiam do Oeste para Este da cidade iraquiana através do rio Tigre.