sicnot

Perfil

Mundo

Alepo pode tornar-se um gigantesco cemitério

© Omar Sanadiki / Reuters

A parte oriental da cidade síria de Alepo (norte) está em risco de se tornar "um gigantesco cemitério" caso os combates continuem e a ajuda humanitária permaneça bloqueada, alertou esta quarta-feira um alto funcionário da ONU.

Numa intervenção no Conselho de Segurança da ONU, reunido hoje numa sessão de emergência após um pedido da França, o responsável das operações humanitárias das Nações Unidas, Stephen O'Brien, indicou que cerca de 25 mil civis terão fugido da zona leste de Alepo (parte controlada pelos rebeldes) desde sábado.

Estas pessoas, segundo o representante, fugiram para a zona oeste de Alepo, controlada pelas forças governamentais, ou para outras áreas vizinhas.

Stephen O'Brien relatou que dezenas de pessoas terão perdido a vida num raide aéreo ocorrido hoje de manhã, mas sem dar mais pormenores.

"É provável que outros milhares irão fugir se os combates se prolongarem e se intensificarem nos próximos dias", reforçou.

O representante assinalou ainda a falta de ambulâncias no terreno: "Os feridos estão a ser transportados em carrinhos de vegetais".

"Apelamos, suplicamos mesmo, que as partes em conflito e aqueles que têm influência façam tudo o que for possível para proteger os civis e permitir o acesso à parte sitiada de Alepo leste antes que ela se transforme num gigantesco cemitério", declarou.

"Já não há mais limites, nem linhas vermelhas para atravessar, as regras da guerra (...) têm sido sistematicamente violadas na Síria", frisou.

As Nações Unidas têm medicamentos e géneros alimentares armazenados para fornecer às dezenas de milhares de pessoas que estão nesta área e os camiões da organização internacional estão prontos para entrar na zona leste de Alepo.

"Por isso é vital que o governo sírio permita o deslocamento do nosso pessoal a Alepo com toda a segurança e sem restrições indevidas", insistiu Stephen O'Brien.

O responsável afirmou estar "extremamente preocupado" com os cerca de 250.000 habitantes que ainda permanecem na zona leste de Alepo.

"Estas pessoas estão sitiadas há 150 dias e não têm os meios para sobreviver muito mais tempo", advertiu, concluindo que, até à data, "os apelos, os pedidos e até as exigências do Conselho têm sido largamente ignorados" pelas fações envolvidas no conflito.

Mais de 300.000 pessoas foram mortas e milhões obrigadas a fugir desde o início da guerra na Síria, há quase seis anos.

Lusa

  • Outros casos de fuga de prisões portuguesas
    2:58

    País

    Nos últimos cinco anos, 52 reclusos fugiram de cadeias portuguesas, mas foram todos recapturados. Entre 1999 e 2009, fugiram oito reclusos da prisão de Caxias. Em 2005, um homem condenado a 21 anos de prisão fugiu de Coimbra, viajando por França e pela Polónia. Manuel Simões acabou por ser detido no regresso a Portugal.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Táxi capaz de sobrevoar filas de trânsito ainda este ano no Dubai

    Mundo

    É o sonho de muitos que passam horas intermináveis em filas de trânsito. Trata-se de um drone com capacidade para transportar pessoas. "Operações regulares" deste insólito aparelho terão início em julho, no Dubai. O anúncio foi feito pela entidade que gere os transportes da cidade. Apenas um passageiro, com o peso máximo de 100 kg, pode seguir viagem neste táxi revolucionário, capaz de sobrevoar vias congestionadas pelo trânsito.