sicnot

Perfil

Mundo

Observatório Sírio dos Direitos Humanos indica que há 50 mil deslocados em Alepo

reuters

Aumentou para 50 mil o número de pessoas que abandonaram as casas onde residiam em Alepo oriental, nos últimos quatro dias, para fugir à guerra, indicou hoje o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

A organização não-governamental, com sede em Londres, referiu que mais de metade dos deslocados, da zona oriental da cidade síria de Alepo, dirigem-se para o bairro de Al Sheij Maqsud, que ainda é controlado pelas Forças da Síria Democrática (FSD), uma aliança curdo-árabe.

Segundo o observatório, os restantes deslocados estão a mudar-se para áreas reconquistadas pelas forças de Damasco.

A organização não-governamental referiu também que centenas de deslocados foram presos e interrogados pelas autoridades.

Apesar de a maior parte dos habitantes detidos terem sido libertados, o Observatório Sírio para os Direitos Humanos sublinha que muitas pessoas encontram-se em paradeiro desconhedico.

Por outro lado, o Comité Internacional da Cruz Vermelha estima que cerca de 20 mil habitantes de Alepo fugiram dos locais de residência nas últimas 72 horas, em virtude da campanha militar das forças governamentais na cidade.

Na terça-feira, o responsável das Nações Unida para os Assuntos Humanitários, Stephen O'Brien, indicou que 16 mil civis que viviam na zona oriental de Alepo, conquistada pelo Exército sírio tentavam "desesperadamente" encontrar abrigo em locais mais seguros.

As forças governamentais sírias progrediram, nas últimas 24 horas, através dos bairros do sudoeste de Alepo, numa tentativa de proteger o aeroporto da cidade controlado pelos militares de Damasco.

Nos dias anteriores, a ofensiva governamental concentrou-se no noroeste da cidade, reconquistando posições de fações islâmicas e de grupos da oposição.

Até ao momento, o Exército da Síria reconquistou onze bairros de Alepo oriental.

Hoje, pelo menos 29 pessoas morreram durante os confrontos no norte de Alepo onde se registaram vários ataques da artilharia governamental assim como disparos de foguetes por parte de grupos rebeldes armados.

Por outro lado, o Comité Internacional da Cruz Vermelha estima que cerca de 20 mil habitantes de Alepo fugiram dos locais de residência nas últimas 72 horas, em virtude da campanha militar das forças governamentais na cidade.

  • Autarca e duas jornalistas mortas a tiro na Finlândia 

    Mundo

    A presidente da Câmara de Imatra, na Finlândia, e duas jornalistas foram mortas a tiro na noite passada, na pequena cidade do sudeste do país. O incidente aconteceu junto a um restaurante e a polícia chegou ao local pouco depois dos disparos. Um suspeito de 23 anos já foi detido.

  • Avião da Qatar Airways aterra de emergência nas Lajes
    0:47

    País

    Aterrou de emergência nos Açores, esta manhã, um avião da Qatar Airways. A turbulência obrigou à manobra que causou pelo menos 10 feridos nos passageiro do avião que fazia ligação de Washington para Doha, capital do Qatar, e foi desviado para a base aérea das Lajes.

  • Óscar do turismo para empresa que gere património de Sintra
    1:51

    Cultura

    A Parques de Sintra ganhou, pelo quarto ano consecutivo, os World Travel Awards na categoria de "Melhor Empresa de Conservação do Mundo". A empresa portuguesa, que gere monumentos, parques e jardins situados na zona da Paisagem Cultural de Sintra e em Queluz, voltou a ser a única nomeada europeia na categoria, e foi a vencedora entre candidatos de todo o mundo.

  • O novo coala do zoo de Lisboa
    3:10

    País

    A SIC acompanhou em exclusivo a transferência de uma coala da Alemanha para o Zoo de Lisboa. O animal veio de avião e foi batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Ficou com o nome de Goolara. O coala é uma fêmea, com quase dois anos, e veio para aumentar a família da mesma espécie em Portugal.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.