sicnot

Perfil

Mundo

Parlamento austríaco aprova expropriação da casa de Hitler

© Reuters

A Comissão do Interior do parlamento da Áustria aprovou esta quarta-feira a expropriação da casa natal do ditador nazi Adolf Hitler na localidade de Braunau am Inn, no estado da Alta Áustria.

A proprietária negou-se durante anos a vender o edifício no centro daquela localidade, próxima da fronteira com a Alemanha.

O Estado austríaco queria a casa há anos para evitar que o local se torne num santuário para nazis.

Os dois partidos da coligação no Governo, o social-democrata SPO e o democrata cristão OVP, votaram a favor da expropriação, juntamente com os ecologistas e os liberais, da oposição.

Depois da expropriação, o Governo pretende lançar um concurso para reestruturar o edifício, para que a casa não seja reconhecida.

Hitler nasceu e viveu nos seus primeiros três anos de vida em Braunau am Inn, uma localidade situada junto à fronteira com a Alemanha.

A proprietária vai ser indemnizada pelo Estado.

A casa, que já foi uma escola, um banco, um instituto técnico e um centro para jovens com necessidade especiais, estava alugada ao Estado por 4.700 euros mensais, para evitar o seu uso de forma indesejada.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.