sicnot

Perfil

Mundo

Príncipe saudita defende que "está na hora das mulheres poderem conduzir"

Um dos príncipes mais ricos da Arábia Saudita declarou que está na hora de as mulheres sauditas poderem conduzir, dizendo ainda que a proibição é um "ato injusto da sociedade tradicional".

© POOL New / Reuters

Alwaleed bin Talal não tem uma posição oficial no Governo saudita. Contudo, com um património líquido estimado nos 17,3 mil milhões de euros, o príncipe é um dos homens mais ricos do mundo e uma das figuras mais influentes no seu país.

Através do Twitter, Talal publicou "Parem o debate: é tempo das mulheres conduzirem" e lançou uma longa declaração sobre o argumento moral e pragmático para permitir que as mulheres conduzam.

A Arábia Saudita é o único país no mundo que proíbe as mulheres de conduzirem. No entanto, esta não é a única proibição que as sauditas enfrentam: não podem viajar sozinhas sem um homem a acompanhá-las.

"Proibir uma mulher de conduzir é hoje uma questão de direitos semelhantes aos que proíbem receber uma educação ou ter uma identidade independente", disse o príncipe. "São todos atos injustos de uma sociedade tradicional, muito mais restritiva do que o permitido legalmente pelos preceitos da religião."

Alwaleed bin Talal argumenta também que a proibição de motoristas do sexo feminino significa que muitas famílias estão a gastar cerca de 900 euros por mês num motorista contratado, geralmente um emigrante que se mudou para a Arábia Saudita para trabalhar e enviar os seus ganhos para o seu país de origem.

Enquanto a economia saudita luta com o baixo preço do petróleo, o príncipe argumenta que a substituição de motoristas estrangeiros por mulheres sauditas seria um impulso para a economia nacional. Contudo, esta ideia vinha com ressalvas. Para fornecer "um elemento de moderação", Alwaleed sugeriu uma série de restrições, incluindo a prevenção de condutoras fora das cidades e proibindo-as de conduzir camiões ou outros veículos maiores do que um carro.

Alwaleed bin Talal sugeriu ainda levar as mulheres para a polícia, onde pudessem entrar na unidade de trânsito, que "tratará das mulheres que estiverem envolvidas em acidentes de trânsito".

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35

    País

    A data para as próximas eleições autárquicas já gerou consenso. 1 de outubro é a data pedida pelos vários partidos ouvidos esta segunda-feira por António Costa. Na próxima quinta-feira, no Conselho de Ministros, o dia de ir às urnas vai ser escolhido.