sicnot

Perfil

Mundo

Príncipe saudita defende que "está na hora das mulheres poderem conduzir"

Um dos príncipes mais ricos da Arábia Saudita declarou que está na hora de as mulheres sauditas poderem conduzir, dizendo ainda que a proibição é um "ato injusto da sociedade tradicional".

© POOL New / Reuters

Alwaleed bin Talal não tem uma posição oficial no Governo saudita. Contudo, com um património líquido estimado nos 17,3 mil milhões de euros, o príncipe é um dos homens mais ricos do mundo e uma das figuras mais influentes no seu país.

Através do Twitter, Talal publicou "Parem o debate: é tempo das mulheres conduzirem" e lançou uma longa declaração sobre o argumento moral e pragmático para permitir que as mulheres conduzam.

A Arábia Saudita é o único país no mundo que proíbe as mulheres de conduzirem. No entanto, esta não é a única proibição que as sauditas enfrentam: não podem viajar sozinhas sem um homem a acompanhá-las.

"Proibir uma mulher de conduzir é hoje uma questão de direitos semelhantes aos que proíbem receber uma educação ou ter uma identidade independente", disse o príncipe. "São todos atos injustos de uma sociedade tradicional, muito mais restritiva do que o permitido legalmente pelos preceitos da religião."

Alwaleed bin Talal argumenta também que a proibição de motoristas do sexo feminino significa que muitas famílias estão a gastar cerca de 900 euros por mês num motorista contratado, geralmente um emigrante que se mudou para a Arábia Saudita para trabalhar e enviar os seus ganhos para o seu país de origem.

Enquanto a economia saudita luta com o baixo preço do petróleo, o príncipe argumenta que a substituição de motoristas estrangeiros por mulheres sauditas seria um impulso para a economia nacional. Contudo, esta ideia vinha com ressalvas. Para fornecer "um elemento de moderação", Alwaleed sugeriu uma série de restrições, incluindo a prevenção de condutoras fora das cidades e proibindo-as de conduzir camiões ou outros veículos maiores do que um carro.

Alwaleed bin Talal sugeriu ainda levar as mulheres para a polícia, onde pudessem entrar na unidade de trânsito, que "tratará das mulheres que estiverem envolvidas em acidentes de trânsito".

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.