sicnot

Perfil

Mundo

UNESCO declara a rumba cubana como Património Imaterial da Humanidade

© Cheryl Ravelo / Reuters

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) declarou hoje a rumba cubana Património Imaterial da Humanidade, anunciaram fontes da instituição à agência de notícias espanhola EFE.

Na sua reunião anual, realizada em Adis Abeba (Etiópia), o Comité Intergovernamental da organização considerou que a rumba cubana é "uma expressão de autoestima e resistência" que contribui para a formação da identidade nacional.

A delegação de Cuba dedicou este reconhecimento da cultura e da identidade cubana a Fidel Castro, líder histórico do país que morreu na sexta-feira, depois de dez anos afastado do poder.

O Comité, formado por representantes de 24 países que são assinantes da Convenção da UNESCO, decidiu incluir a rumba cubana na lista de bens protegidos porque é um símbolo de toda a sociedade cubana e "defende o direito à diversidade cultural baseada no respeito mútuo".

"A rumba cubana é uma expressão do património oral e imaterial em que coincidem a harmonia da tradição e contemporaneidade", referiu o Comité.

A rumba, que surgiu nos bairros urbanos pobres de Cuba, está vinculada à cultura africana, mas também tem alguns elementos característicos da cultura das Caraíbas e do flamenco espanhol.

"Pela sua natureza de integração e diversidade cultural, converteu-se numa expressão de amplo alcance social", destacou a UNESCO.

O Comité intergovernamental da UNESCO reúne-se uma vez por ano em locais diferentes para examinar o funcionamento da instituição e as candidaturas que são entregues à instituição para património da humanidade.

"A riqueza do ritmo, a graça, a sensualidade da dança, o canto e a alegria que transmite acabam por conectar com muitas pessoas, independentemente do sexo, fenótipo, situação social ou geográfica", acrescentou.

Esta reunião em Adis Abeba é a quarta organizada no continente africano, depois de Argel (Argélia, em 2006), Nairobi (Quénia, em 2010) e Windhoek (Namíbia, em 2015)

  • E agora?
    15:07

    Reportagem Especial

    Há uma semana, Portugal voltou a ser palco de uma tragédia que matou pelo menos 44 pessoas e deixou cerca de 70 feridas. Os incêndios destruíram mais de 800 casas, dezenas de empresas e explorações agropecuárias, mataram milhares de animais e consumiram uma gigantesca área de floresta. A reportagem da SIC andou pelo concelho de Tondela, onde três pessoas morreram e o levantamento de prejuízos ainda não está fechado.

  • "Sinto-me como quem leva uma sova monumental"
    0:30
  • Temperaturas vão subir até 4ª feira

    País

    As temperaturas vão subir até esta quarta-feira, prevendo-se máximas entre os 22 e os 29 graus na generalidade do território, valores acima do normal para a época do ano, adiantou hoje a meteorologista Maria João Frada.

  • "Não compreendi absolutamente nada a substituição do Casillas"
    1:58
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    Os guarda-redes de FC Porto e Benfica estão neste momento em destaque depois de José Sá ter assumido a baliza dos dragões em detrimento de Iker Casillas. Nas águias, Svilar repetiu a titularidade frente ao Desportivo das Aves. Os comentadores do programa Play-Off Rodolfo Rei, Rui Santos, João Alves e Manuel Fernandes analisaram as duas situações.

  • Famílias afetadas pelos fogos começam a receber bens de primeira necessidade
    2:30
  • Equipa responsável por renovação da Proteção Civil ainda não é conhecida
    2:45

    País

    A constituição da unidade de missão que deverá entrar esta segunda-feira em funções para concretizar a reforma dos sistemas de prevenção e combate a incêndios ainda não é conhecida. A equipa de trabalho anunciada por António Costa será responsável por pôr de pé o novo sistema de Proteção Civil, aprovado no Conselho de Ministros extraordinário de sábado.

  • "Quero unir o PSD depois de o clarificar"
    1:17
  • Quem são os lesados do BES?
    4:52