sicnot

Perfil

Mundo

Luaty Beirão elogiado por "pedagogia da coragem" em "tempos de miséria ideológica"

LUSA

O ativista angolano Luaty Beirão, cujo diário da prisão foi apresentado na quarta-feira à noite em Lisboa, mereceu elogios de Pacheco Pereira e Daniel Oliveira, que destacaram a sua "pedagogia da coragem" em "tempos de miséria ideológica".

O "cota Pacheco", como carinhosa e respeitosamente lhe chamou Luaty, classificou a obra, intitulada "Sou Eu mais Livre, Então" e publicada em Portugal pela Tinta-da-China, como "um livro que ajuda à visibilidade e à luta dos angolanos, de gente que tem uma espécie de mal-estar" em relação ao regime do Presidente José Eduardo dos Santos, um livro que "merece ser lido e merece ser discutido".

"Nestes tempos de miséria ideológica, é muito importante que alguém se dê ao trabalho de resistir", sublinhou o historiador e comentador político.

José Pacheco Pereira defendeu ainda que o Portugal pós-colonialista tem responsabilidades por assumir.

"Nós temos essa culpa coletiva: que os partidos políticos, sobretudo os do centro, ajudem à perpetuação do regime angolano e à miséria do povo angolano", frisou.

Daniel Oliveira tomou a palavra para dizer: "A única coisa que eu queria fazer era agradecer ao Luaty e a todos os outros pela pedagogia da coragem - e, atenção, não falo de heroísmo, falo de coragem, de servirem como um exemplo de decência.

"O dinheiro compra as cobardias, compra os silêncios, e essas coisas são as mais difíceis, explicou, acrescentando que o caso dos 17 ativistas angolanos "nunca foi uma questão de direitos humanos, foi uma escolha política", considerou o cronista do semanário Expresso.

"Ser preso por uma ditadura é uma medalha", referiu.

Após meses de prisão, julgamento e condenação dos 17 ativistas detidos em junho de 2015 por estarem juntos a ler e a debater o conteúdo do livro de Gene Sharp "Da Ditadura à Democracia", Luaty, que sobreviveu a duas greves da fome durante o processo, uma das quais de 36 dias - no limiar da sobrevivência -, agradeceu aos presentes no Teatro Cinearte, que enchiam a sala, o seu contributo para denunciar a situação.

"Muito obrigado pelo que fizeram por nós. Fez toda a diferença", disse o ativista de 35 anos, fazendo questão de frisar que não é uma vítima e que tudo o que viveu nos últimos tempos em Angola "faz parte do desafio político para melhorar o país".

"O que nós temos de fazer em regimes ditatoriais com fachadas de democracia é provocá-los. Eles dão-nos os factos, fazem-nos esse favor, e nós agradecemos. É claro que nos sai do lombo: um sanguezinho aqui, uma cabeça aberta ali, uma prisão? mas vale a pena, é preciso continuar a dar o corpo", defendeu.

"O Zé Eduardo ajudou-nos muito a mudar o país (...) e saímos todos mais fortalecidos. Vale a pena continuarmos nesta via", declarou.

Quanto à posição de Portugal perante o regime, o 'rapper' luso-angolano considerou que o país cumpre o papel de recetor do roubo.

Inquirido sobre se tenciona formar um novo partido político para combater um regime "oligárquico, colonial e predador", como o descreveu Daniel de Oliveira, Luaty Beirão respondeu que a sociedade angolana "é extremamente partidarizada e [que] as pessoas sentem que só se estiverem ligadas a um partido é que podem emitir uma opinião".

"Eu não tenho ideia de formar um partido político, prefiro trabalhar com a sociedade civil, prefiro trabalhar no amadurecimento do cidadão: capacitar o cidadão para que ele sinta que é o agente da mudança", declarou.

Lusa

  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • FC Porto acusa Benfica de recorrer a serviços de "bruxaria"
    2:34

    Desporto

    Francisco J. Marques acusou o Benfica de recorrer a "bruxaria". O diretor de comunicação do FC Porto revelou uma troca de e-mails entre Luís Filipe Vieira e Armando Nhaga, suposto comissário nacional da polícia da Guiné-Bissau com a celebração de um contrato de prestação de serviços.

  • Francisco J. Marques promete continuar a revelar e-mails
    2:11

    Desporto

    Francisco J. Marques diz que a Polícia Judiciária sabe como o Futebol Clube do Porto teve acesso aos e-mails e desafia o Benfica a revelar os originais. O diretor de comunicação do clube portista revelou ainda que irá continuar a divulgar e-mails, já que isso não é incompatível com o segredo de Justiça.

  • Confirmada prisão dos portugueses que gravaram nome no portão de Auschwitz

    Mundo

    Dois adolescentes católicos portugueses foram condenados a um ano de prisão com pena suspensa, por terem gravado os nomes na porta da entrada principal de Auschwitz-Birkenau. O tribunal de primeira instância de Oswiecim já tinha condenado os jovens e o tribunal de Cracóvia confirmou esta quarta-feira a pena aplicada.

  • Temer pode cair menos de um ano depois da queda de Dilma
    3:06
  • Imagens do resgate de crianças feridas num bombardeamento na Síria
    2:00

    Mundo

    Os Estados Unidos acusam o regime sírio de estar a preparar um novo ataque químico e avisam Bashar al-Assad que vai pagar caro se o concretizar. No terreno, os ataques aéreos continuam a fazer vítimas civis. Da periferia de Damasco chegam imagens dramáticas do resgate de duas crianças feridas num bombardeamento.

  • Quem é a mulher que diz ser filha de Salvador Dalí

    Cultura

    Maria Pilar Abel Martínez nasceu em 1956 e será o alegado fruto de um caso entre a sua mãe e Salvador Dalí. Um tribunal de Madrid ordenou a exumação do cadáver do pintor e a obtenção de amostras, de modo a determinar se a mulher espanhola é mesmo filha de Dalí.

  • Mulher atira moedas para o motor do avião por superstição

    Mundo

    As superstições levam as pessoas a fazer coisas bizarras e até, mesmo, perigosas. Este foi o caso de uma mulher chinesa que decidiu atirar moedas para o motor de um avião, para garantir boa sorte na viagem, que estava prestes a fazer. Contudo, a ação obrigou ao atraso do voo que partia de Xangai, numa companhia aérea chinesa.

  • Modelo italiana atacada com ácido volta ao trabalho

    Mundo

    Gessica Notaro, antiga concorrente do concurso Miss Itália, já regressou ao trabalho como treinadora de leões marinhos, cinco meses depois de ter sido atacada com ácido, alegadamento pelo ex-namorado, Jorge Edson Tavares. Gessica Notaro diz que quer inspirar e encorajar outras mulheres a lutar contra o assédio e o bullying nas relações.