sicnot

Perfil

Mundo

Luaty Beirão elogiado por "pedagogia da coragem" em "tempos de miséria ideológica"

LUSA

O ativista angolano Luaty Beirão, cujo diário da prisão foi apresentado na quarta-feira à noite em Lisboa, mereceu elogios de Pacheco Pereira e Daniel Oliveira, que destacaram a sua "pedagogia da coragem" em "tempos de miséria ideológica".

O "cota Pacheco", como carinhosa e respeitosamente lhe chamou Luaty, classificou a obra, intitulada "Sou Eu mais Livre, Então" e publicada em Portugal pela Tinta-da-China, como "um livro que ajuda à visibilidade e à luta dos angolanos, de gente que tem uma espécie de mal-estar" em relação ao regime do Presidente José Eduardo dos Santos, um livro que "merece ser lido e merece ser discutido".

"Nestes tempos de miséria ideológica, é muito importante que alguém se dê ao trabalho de resistir", sublinhou o historiador e comentador político.

José Pacheco Pereira defendeu ainda que o Portugal pós-colonialista tem responsabilidades por assumir.

"Nós temos essa culpa coletiva: que os partidos políticos, sobretudo os do centro, ajudem à perpetuação do regime angolano e à miséria do povo angolano", frisou.

Daniel Oliveira tomou a palavra para dizer: "A única coisa que eu queria fazer era agradecer ao Luaty e a todos os outros pela pedagogia da coragem - e, atenção, não falo de heroísmo, falo de coragem, de servirem como um exemplo de decência.

"O dinheiro compra as cobardias, compra os silêncios, e essas coisas são as mais difíceis, explicou, acrescentando que o caso dos 17 ativistas angolanos "nunca foi uma questão de direitos humanos, foi uma escolha política", considerou o cronista do semanário Expresso.

"Ser preso por uma ditadura é uma medalha", referiu.

Após meses de prisão, julgamento e condenação dos 17 ativistas detidos em junho de 2015 por estarem juntos a ler e a debater o conteúdo do livro de Gene Sharp "Da Ditadura à Democracia", Luaty, que sobreviveu a duas greves da fome durante o processo, uma das quais de 36 dias - no limiar da sobrevivência -, agradeceu aos presentes no Teatro Cinearte, que enchiam a sala, o seu contributo para denunciar a situação.

"Muito obrigado pelo que fizeram por nós. Fez toda a diferença", disse o ativista de 35 anos, fazendo questão de frisar que não é uma vítima e que tudo o que viveu nos últimos tempos em Angola "faz parte do desafio político para melhorar o país".

"O que nós temos de fazer em regimes ditatoriais com fachadas de democracia é provocá-los. Eles dão-nos os factos, fazem-nos esse favor, e nós agradecemos. É claro que nos sai do lombo: um sanguezinho aqui, uma cabeça aberta ali, uma prisão? mas vale a pena, é preciso continuar a dar o corpo", defendeu.

"O Zé Eduardo ajudou-nos muito a mudar o país (...) e saímos todos mais fortalecidos. Vale a pena continuarmos nesta via", declarou.

Quanto à posição de Portugal perante o regime, o 'rapper' luso-angolano considerou que o país cumpre o papel de recetor do roubo.

Inquirido sobre se tenciona formar um novo partido político para combater um regime "oligárquico, colonial e predador", como o descreveu Daniel de Oliveira, Luaty Beirão respondeu que a sociedade angolana "é extremamente partidarizada e [que] as pessoas sentem que só se estiverem ligadas a um partido é que podem emitir uma opinião".

"Eu não tenho ideia de formar um partido político, prefiro trabalhar com a sociedade civil, prefiro trabalhar no amadurecimento do cidadão: capacitar o cidadão para que ele sinta que é o agente da mudança", declarou.

Lusa

  • Autarca e duas jornalistas mortas a tiro na Finlândia 

    Mundo

    A presidente da Câmara de Imatra, na Finlândia, e duas jornalistas foram mortas a tiro na noite passada, na pequena cidade do sudeste do país. O incidente aconteceu junto a um restaurante e a polícia chegou ao local pouco depois dos disparos. Um suspeito de 23 anos já foi detido.

  • Avião da Qatar Airways aterra de emergência nas Lajes
    0:47

    País

    Aterrou de emergência nos Açores, esta manhã, um avião da Qatar Airways. A turbulência obrigou à manobra que causou pelo menos 10 feridos nos passageiro do avião que fazia ligação de Washington para Doha, capital do Qatar, e foi desviado para a base aérea das Lajes.

  • Óscar do turismo para empresa que gere património de Sintra
    1:51

    Cultura

    A Parques de Sintra ganhou, pelo quarto ano consecutivo, os World Travel Awards na categoria de "Melhor Empresa de Conservação do Mundo". A empresa portuguesa, que gere monumentos, parques e jardins situados na zona da Paisagem Cultural de Sintra e em Queluz, voltou a ser a única nomeada europeia na categoria, e foi a vencedora entre candidatos de todo o mundo.

  • O novo coala do zoo de Lisboa
    3:10

    País

    A SIC acompanhou em exclusivo a transferência de uma coala da Alemanha para o Zoo de Lisboa. O animal veio de avião e foi batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Ficou com o nome de Goolara. O coala é uma fêmea, com quase dois anos, e veio para aumentar a família da mesma espécie em Portugal.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.