sicnot

Perfil

Mundo

Nova estimativa sobe para 170 mil M€ custo de desmantelar e limpar Fukushima

Japão, 11 de março de 2011: um sismo de magnitude 9 seguido de um tsunami devastou a região de Tohoku (nordeste), fazendo quase 19.000 mortos e provocando um grave acidente nuclear na central de Fukushima.

© Yomiuri Yomiuri / Reuters

O custo estimado para desmantelar a central nuclear japonesa de Fukushima, compensar residentes e descontaminar o ambiente após o acidente de 2011 ultrapassa os 20 biliões de ienes (170 mil milhões de euros), informou hoje a estação pública NHK.

O valor representa também cerca do dobro do estimado no fim de 2013 pelo Ministério da Indústria (Meti) do Japão.

A operadora da central Fukushima Daiichi, a Tokyo Electric Power (Tepco), tinha inicialmente indicado que só o desmantelamento e os trabalhos no local iriam custar cerca de 2 biliões de ienes, mas na nova avaliação governamental, o montante é quatro vezes superior: 8 biliões (cerca de 70 mil milhões de euros), segundo a NHK.

Os mesmos valores referidos pela estação pública japonesa foram publicados pelo diário Nikkei.

Será preciso pelo menos três a quatro décadas para recuperar o combustível fundido em três unidades e limpar as zonas afetadas.

Um comité de peritos mandatados pelo Governo tinha já em outubro dito que o custo do desmantelamento "vai ultrapassar largamente os 2 biliões de ienes".

O comité e o Met não deram dados oficiais atualizados entretanto, mas poderão publicá-los na próxima reunião este mês.

"As discussões (sobre os custos e a sua repartição) vão continuar ainda no próximo ano", disse por telefone à AFP um porta-voz do Meti.

A 11 de março de 2011, um sismo de magnitude 9 na escala de Ritcher e o 'tsunami' que se seguiu devastaram o nordeste do Japão, fizeram mais de 18 mil mortos e provocaram graves danos na central de Fukushima Daiichi, desencadeado a pior crise nuclear desde Chernobil, na Ucrânia, em 1986.

Lusa

  • Encontrado corpo de mariscador desaparecido no Barreiro

    País

    O corpo do homem com cerca de 50 anos apareceu esta manhã junto ao Clube Naval do Barreiro, na mesma zona onde tinha desaparecido na noite deste sábado. A informação já foi confirmada à SIC pela Polícia Marítima, que adiantou que o corpo já foi levado para a morgue. O alerta foi dado por volta das 22:30 de ontem pelos companheiros de nacionalidade chinesa que estavam com a vítima na apanha de bivalves na margem sul do Tejo.

  • Mais de duas mil pessoas retiradas do fogo junto ao parque Doñana, no Sul de Espanha

    Mundo

    O incêndio florestal começou ainda na noite deste sábado na aldeia de Las Peñuelas de Moguer, na província de Huelva e obrigou à evacuação de várias localidades e à retirada de mais de duas mil pessoas, de vários alojamentos turísticos (incluindo o Parador de Mazagon, dois parques de campismo e um hotel). Foi ainda ativado o plano de emergência da província.

  • Portugal "precisa avançar no trabalho" para reduzir crédito malparado
    1:36

    Economia

    Bruxelas recomenda e insiste que o Governo português avance no trabalho para resolver o crédito malparado. Em entrevista à SIC e ao Expresso, o vice-Presidente da Comissão para o Euro e Estabilidade Financeira, Valdis Dombrovskis, adianta que Bruxelas está também a preparar um Plano de Ação ao nível europeu.

    Entrevista SIC/Expresso

  • Líder do Daesh abatido durante fuga

    Daesh

    Um líder do Daesh e o assistente foram abatidos pela polícia iraquiana, em Mossul. A notícia é avançada pela agência EFE que esclarece que os dois homens terão sido mortos enquanto fugiam do Oeste para Este da cidade iraquiana através do rio Tigre.