sicnot

Perfil

Mundo

Rússia propõe quatro corredores humanitários para Alepo

© Omar Sanadiki / Reuters

A Rússia propôs a criação de quatro corredores humanitários no leste de Alepo, declarou esta quinta-feira um responsável das Nações Unidas, que espera poder retirar os feridos e encaminhar ajuda para a zona sitiada pelas forças do regime sírio.

"A Federação da Rússia anunciou" que os seus enviados "querem sentar-se em Alepo com o nosso pessoal para discutir o modo como podemos utilizar os quatro corredores para retirar as pessoas, nomeadamente (...) pelo menos 400 feridos que precisam de transferência médica imediata", declarou aos jornalistas Jan Egeland, à frente do grupo de trabalho sobre ajuda humanitária na Síria, após uma reunião em Genebra.

Estes corredores podem também servir para encaminhar medicamentos e alimentos, adiantou.

O enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, sublinhou que a instauração de uma "pausa" humanitária continua a ser a prioridade das Nações Unidas.

O modo de funcionamento dos quatro corredores humanitários propostos por Moscovo será discutido hoje, adiantou Egeland, lembrando que eles só poderão funcionar "se todos os atores armados os respeitarem".

Moscovo, aliado do Governo sírio, já noutras ocasiões decretou unilateralmente tréguas e estabeleceu corredores humanitários, mas a ONU nunca os utilizou por falta de garantias de segurança.

Staffan de Mistura alertou hoje que a ofensiva do exército sírio em Alepo nos últimos dias obrigou 30.000 civis a deixarem as suas casas e que o número está a aumentar hora a hora.

Na quarta-feira, o responsável pelas operações humanitárias da ONU, Stephen O'Brien, disse que a parte oriental de Alepo está em risco de se tornar "um gigantesco cemitério" caso os combates continuem e a ajuda humanitária permaneça bloqueada.

As Nações Unidas têm medicamentos e géneros alimentares armazenados para fornecer às cerca de 250.000 pessoas que estão sitiadas na zona leste de Alepo e os camiões da organização internacional estão prontos para entrar.

Lusa

  • E agora?
    15:07

    Reportagem Especial

    Há uma semana, Portugal voltou a ser palco de uma tragédia que matou pelo menos 44 pessoas e deixou cerca de 70 feridas. Os incêndios destruíram mais de 800 casas, dezenas de empresas e explorações agropecuárias, mataram milhares de animais e consumiram uma gigantesca área de floresta. A reportagem da SIC andou pelo concelho de Tondela, onde três pessoas morreram e o levantamento de prejuízos ainda não está fechado.

  • "Sinto-me como quem leva uma sova monumental"
    0:30
  • Temperaturas vão subir até 4ª feira

    País

    As temperaturas vão subir até esta quarta-feira, prevendo-se máximas entre os 22 e os 29 graus na generalidade do território, valores acima do normal para a época do ano, adiantou hoje a meteorologista Maria João Frada.

  • "Não compreendi absolutamente nada a substituição do Casillas"
    1:58
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    Os guarda-redes de FC Porto e Benfica estão neste momento em destaque depois de José Sá ter assumido a baliza dos dragões em detrimento de Iker Casillas. Nas águias, Svilar repetiu a titularidade frente ao Desportivo das Aves. Os comentadores do programa Play-Off Rodolfo Rei, Rui Santos, João Alves e Manuel Fernandes analisaram as duas situações.

  • Famílias afetadas pelos fogos começam a receber bens de primeira necessidade
    2:30
  • Equipa responsável por renovação da Proteção Civil ainda não é conhecida
    2:45

    País

    A constituição da unidade de missão que deverá entrar esta segunda-feira em funções para concretizar a reforma dos sistemas de prevenção e combate a incêndios ainda não é conhecida. A equipa de trabalho anunciada por António Costa será responsável por pôr de pé o novo sistema de Proteção Civil, aprovado no Conselho de Ministros extraordinário de sábado.

  • "Quero unir o PSD depois de o clarificar"
    1:17
  • Quem são os lesados do BES?
    4:52