sicnot

Perfil

Mundo

Ban Ki-moon pede desculpa aos haitianos pelo surto de cólera de 2010

© POOL New / Reuters

O secretário-geral das Nações Unidas pediu esta quinta-feira desculpa, pela primeira vez, aos haitianos pela epidemia de cólera que afeta o país desde 2010 e apelou à comunidade internacional para que contribua com fundos para ajudar os afetados pela doença.

Com toda a solenidade, num discurso perante a assembleia-geral da ONU, Ban Ki-moon dirigiu-se diretamente ao povo haitiano, lamentando "profundamente a perda de vidas humanas e o sofrimento causado pela epidemia de cólera".

"Em nome das Nações Unidas, quero dizê-lo muito claramente: pedimos perdão ao povo haitiano", disse.

Este gesto é significativo, uma vez que durante anos a ONU resistiu a admitir que esteve na origem de uma epidemia que afetou cerca de 800.000 pessoas e que causou mais de 9.000 mortos.

Segundo várias investigações, o surto de cólera no Haiti começou em 2010 devido a um derramamento de resíduos fecais num rio por parte de "capacetes azuis" de nacionalidade nepalesa.

Com grupos de vítimas exigindo às Nações Unidas indemnizações nos tribunais, a organização evitou até este ano reconhecer o seu papel na crise.

A mudança de posição ocorreu este verão, quando a justiça norte-americana confirmou que a ONU goza de imunidade neste tipo de reclamações e rejeitou o caso.

As Nações Unidas admitiram então, pela primeira vez, que tiveram um papel na epidemia e anunciaram um novo plano para ajudar o Haiti a libertar-se da doença e para apoiar diretamente os atingidos.

Hoje, no seu discurso, Ban deu mais um passo nessa direção, desculpando-se formalmente perante o Haiti e reconhecendo que a ONU não fez "o suficiente" para responder ao surto e à propagação da cólera na ilha.

"É uma mancha na reputação das operações de paz da ONU e da organização em todo o mundo", disse o diplomata, que se dirigiu aos haitianos em crioulo e em francês.

O secretário-geral da ONU não chegou a mencionar explicitamente que foi o pessoal da organização que levou a cólera para o Haiti, dado que as Nações Unidas acreditam que fazê-lo poderia trazer dificuldades nas suas ações.

A nova estratégia da ONU pretende, por um lado, aumentar os recursos para o tratamento da cólera no Haiti e melhorar o saneamento para conseguir a sua erradicação a médio prazo e, por outro, dar "apoio material" às famílias das vítimas e às comunidades mais afetadas, um programa com um orçamento total de 400 milhões de dólares (200 milhões para cada vertente).

A gestão da cólera no Haiti é um dos pontos negros dos dois mandatos do sul-coreano Ban Ki-moon, que deixará o cargo de secretário-geral da ONU no final deste ano, sucedendo-lhe o português António Guterres.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35

    País

    A data para as próximas eleições autárquicas já gerou consenso. 1 de outubro é a data pedida pelos vários partidos ouvidos esta segunda-feira por António Costa. Na próxima quinta-feira, no Conselho de Ministros, o dia de ir às urnas vai ser escolhido.