sicnot

Perfil

Mundo

Cerca de três mil rebeldes e civis ainda permanecem no leste de Alepo

© Abdalrhman Ismail / Reuters

Cerca de 3.000 pessoas permanecem no leste de Alepo e aguardam pela sua retirada antes de o Governo sírio assumir o controlo total da cidade após quase seis anos de guerra, referiram ativistas citados pela agência noticiosa AP.

O ativista da oposição Ahmad Primo disse hoje que a próxima coluna de autocarros que vai recolher civis e rebeldes poderá ser a última enviada para essa zona da cidade.

A Observatório sírio dos direitos humanos (OSDH), baseado em Londres, referiu que 60 autocarros entraram no leste de Alepo para transportar os restantes 3.000 combatentes e familiares, que permanecem no último bastião da antiga capital comercial da Síria.

O responsável pelo OSDH, Rami Abdurrahman, referiu que permanece desconhecido o destino de 70 combatentes pró-governamentais feitos prisioneiros pelos rebeldes no decurso dos combates que se prolongaram durante quatro anos no enclave. No entanto, sugeriu que poderão ser entregues ao governo de Damasco no âmbito do acordo destinado a permitir a retirada dos opositores desta cidade do norte do país.

O Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICR) indicou ainda hoje que cerca de 25.000 pessoas já foram transferidas desde quinta-feira do leste de Alepo para zonas do oeste desta província.

O porta-voz do CICR na Síria, Ingy Sedky, que se encontra no terreno em Alepo, referiu que nas últimas horas foram retiradas 14 feridos graves da zona leste, mas confirmou a presença de "milhares, o que implica o prosseguimento do processo".

Em paralelo, pelo menos 750 pessoas abandonaram as localidades de maioria xiita de Fua e Kefraya, na vizinha província de Idleb, que permanecem cercadas pela Frente da Conquista do Levante, (ex-ramo sírio da Al-Qaida).

A ONU informou também hoje que cerca de 19.500 pessoas foram retiradas do leste de Alepo desde quinta-feira, e 700 de Fua e Kefraya.

Lusa

  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23

    Mundo

    Cerca de 1.4 milhões de crianças estão em risco iminente de morrer à fome. Deste modo, a UNICEF faz um apelo urgente de cerca de 230 milhões de euros para levar nos próximos meses comida, água e serviços médicos a estas crianças. As imagens desta reportagem podem impressionar os espectadores mais sensíveis.

  • Vídeo amador mostra destruição na Síria
    1:04

    Mundo

    A guerra na Síria continua a fazer vítimas mortais. Um vídeo amador divulgado esta segunda-feira mostra o estado de uma localidade a este de Damasco, depois de um ataque aéreo no fim-de-semana. No ataque, 16 pessoas morreram e há várias dezenas de feridos.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35
  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32
  • Homem que esfaqueou mulher em Esmoriz é acusado de homicídio qualificado
    1:24

    País

    O homem que no sábado esfaqueou a mulher em Esmoriz está acusado de homicídio qualificado. O arguido de 50 anos foi ouvido esta segunda-feira pelo juiz de instrução e ficou em prisão preventiva, uma medida fundamentada pelo perigo de fuga e de alarme. O homem remeteu-se ao silêncio durante o interrogatório, no Tribunal de Aveiro.

  • Homem condenado a oito anos e meio por abuso sexual da mãe
    1:10

    País

    O Tribunal de Coimbra condenou esta segunda-feira um homem de 53 anos a oito anos e meio de prisão por abuso sexual da mãe e ainda por crimes de roubo e coação. A mãe, de 70 anos, sofria de problemas nervosos e consumia bebidas alcoólicas com frequência, tendo sido vítima de abuso sexual por parte do filho enquanto dormia. Os crimes cometidos remetem para o início de 2016, depois do homem já ter cumprido outras penas de prisão em Espanha.

  • Jovem de 21 anos morre colhida por comboio na linha da Beira Baixa
    0:43

    País

    Uma jovem de 21 anos morreu esta segunda-feira ao ser atropelada pelo comboio Intercidades à saída da estação de Castelo Branco, na linha da Beira Baixa. A vítima foi colhida pelo comboio que seguia no sentido Lisboa-Covilhã ao atravessar a linha de caminho de ferro. Este é um local onde não existe passagem de nível, mas habitualmente muitas pessoas arriscam fazer a travessia da linha.

  • Banco do Metro com pénis gera polémica no México

    Mundo

    Um banco em formato de homem com o pénis exposto, numa das carruagens de Metro da Cidade do México, está a gerar polémica. A iniciativa integra uma campanha contra o assédio sexual de que as mulheres são vítima no país.