sicnot

Perfil

Mundo

Turquia vai homenagear embaixador russo morto com nome de rua em Ancara

© Umit Bektas / Reuters

A rua onde se situa a embaixada da Rússia em Ancara passará a chamar-se Andrey Karlov, o nome do embaixador russo assassinado na segunda-feira, anunciou hoje o ministro turco dos Negócios Estrangeiros, Mevlüt Çavusoglu.

Os especialistas investigarão o homicídio de forma "transparente", acrescentou Çavusoglu, citado pela agência Efe, numa conferência de imprensa em Moscovo, onde se reuniu com os seus homólogos russo e iraniano para debater a situação na Síria e em Alepo.

O chefe da diplomacia turca acrescentou que o objetivo do ataque foi o de prejudicar as relações entre a Turquia e a Rússia e que ambos os países estão conscientes disso.

A polícia turca deteve hoje seis pessoas no âmbito das investigações relacionadas com o homicídio de Karlov na capital turca.

Os detidos são familiares e pessoas próximas do homicida do embaixador, Mevlüt Mert Altintas, um polícia da unidade anti-motim.

De acordo com os meios de comunicação turcos, a polícia está a investigar o vínculo entre o homicida e a organização do clérigo muçulmano Fethullah Güllen, a quem Ancara acusa de estar por detrás da tentativa de golpe de Estado no passado dia 15 de julho.

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.