sicnot

Perfil

Mundo

Assassino de embaixador russo protegeu Erdogan por oito vezes desde julho último

Burhan Ozbilici/AP

O jovem polícia que matou o embaixador russo em Ancara fez parte por oito vezes do dispositivo de segurança do Presidente Recep Tayyip Erdogan desde julho, de acordo com a comunicação social turca.

Mevlüt Mert Altintas, um polícia de 22 anos, matou na passada segunda-feira em frente às câmaras com nove disparos de arma ligeira o embaixador da Rússia em Ancara, Andrei Karlov, antes de ser abatido.

De acordo com uma notícia do diário turco Hürriyet, o jovem polícia, agente das brigadas especiais da polícia anti-motim em Ancara desde há dois anos e meio, foi membro do dispositivo de proteção do Presidente turco por oito vezes desde a tentativa de golpe de Estado em julho último.

"Ele foi membro da equipa que garante a segurança do Presidente mesmo por detrás dos guarda-costas", noticia o Hürriyet, citado pela agência France Presse.

Depois de cravejar de balas o embaixador, Mevlüt Mert Altintas gritou "Alá é grande" e afirmou agir para vingar a cidade síria de Alepo, em vias de ser totalmente tomada pelas forças do regime sírio com o apoio das forças armadas russas.

Não obstante o homicida ter ligado o seu ato à situação na Síria, o chefe da diplomacia turca afirmou ao seu homólogo norte-americano que Moscovo e Ancara sabem que a rede do clérigo Fethullah Güllen está por detrás da morte.

De acordo com a agência de notícias turca, Anadolu, que cita fontes diplomáticas, Mevlüt Çavusoglu afirmou a John Kerry que "a Turquia e a Rússia sabem que por detrás do ataque (...) está a FETO", acrónimo que designa a organização do clérigo exilado nos Estados Unidos, que Ancara acusa de ser o mentor da tentativa de golpe de Estado fracassada.

Güllen -- que sempre negou esta acusação -- manifestou-se "chocado e profundamente triste" com o homicídio do embaixador.

De acordo com a comunicação social turca, a polícia tem atualmente 13 pessoas sob detenção ou residência vigiada, entre as quais várias pessoas próximas do atirador.

A Turquia aceitou, de forma insólita, a participação na investigação de 18 investigadores russos enviados por Moscovo e que participaram na autópsia do corpo de Andrei Karlov, repatriado na terça-feira para Moscovo.


  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.