sicnot

Perfil

Mundo

Médicos sem Fronteiras denunciam condições de vida nos centros para migrantes na Líbia

A organização Médicos sem Fronteiras (MSF) denunciou hoje as "graves condições de vida" nos centros de detenção líbios, exprimindo a "sua oposição à detenção indefinida, arbitrária de migrantes, refugiados e requerentes de asilo".

"As pessoas vivem em condições inumanas, sem higiene, e apenas dispõem, em certas estruturas, de um espaço de meio metro quadrado", assinalou a MSF em comunicado.

"Nos centros de detenção faltam alimentos e as pessoas detidas não têm um acesso simples à água potável ou aos serviços de higiene", sublinha a organização internacional que fornece assistência, através de clínicas móveis, em sete centros para migrantes em Tripoli e na sua região.

A MSF insiste para que as autoridades líbias libertem as mulheres grávidas, as mulheres com recém-nascidos e jovens menores, e ainda as pessoas deficientes ou com graves problemas de saúde.

Cinco anos após a queda de Muammar Kadhafi, a Líbia está mergulhada no caos e o país tornou-se numa encruzilhada da imigração clandestina.

Dezenas de milhares de migrantes atravessam anualmente o Mediterrâneo a partir do oeste da Líbia e em direção a Itália, situada a 300 quilómetros de distância.

Desde abril de 2015 mais de 300.000 migrantes chegaram às costas italianas, e perto de 7.000 morreram ou desapareceram no Mediterrâneo.

Lusa

  • Dois jovens atropelados mortalmente no concelho de Montemor-o-Velho
    2:20
  • Presidente de "O Sonho" suspeito de peculato e fraude
    2:26

    País

    O presidente das três instituições de solidariedade social de Setúbal - incluindo "O Sonho" -, que na sexta-feira foram alvo de buscas, foi constituído arguido. Florival Cardoso é, por enquanto, o único suspeito de peculato e fraude na obtenção de subsídios para as instituições.

  • Manifestação contra mina de urânio junta milhares em Salamanca
    1:39
  • Assalto a Tancos e roubo de armas da PSP podem estar relacionados
    1:24

    País

    O assalto a Tancos e o roubo de armas da PSP, três recuperadas na semana passada, podem estar relacionados. O semanário Expresso avançou este sábado que há suspeitos de terem participado nos dois assaltos e o grupo, ou parte dele, atua principalmente do Algarve, com possíveis ligações a outras organizações espalhadas pelo país ou até transacionais.

  • Cessar-fogo de 30 dias na Síria
    2:07