sicnot

Perfil

Mundo

Presidente da Gâmbia recusa deixar o poder

© Thierry Gouegnon / Reuters

O Presidente da Gâmbia, no poder há 22 anos e que contesta a sua derrota nas presidenciais, afirmou na terça-feira que não deixará o poder antes de uma decisão da justiça sobre o seu pedido de anulação do escrutínio.

"Não partirei" enquanto a justiça não decidir, declarou Yahya Jammeh numa declaração transmitida pela televisão na noite de terça-feira.

A CEDEAO (Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental) "tenta empurrar-me para fora, isso não vai acontecer", adiantou, assegurando que a posse de Adama Barrow, declarado vencedor das presidenciais de 01 de dezembro, não acontecerá a 19 de janeiro como defende aquela organização regional.

Jammeh, 51 anos, admitiu inicialmente a derrota, mas uma semana mais tarde voltou atrás e recusou aceitar o resultado das eleições, alegando irregularidades na votação. Alguns dias depois o seu partido pediu ao Supremo Tribunal para anular os resultados das eleições, ganhas por Barrow com 19 mil votos de diferença.

A CEDEAO já enviou uma missão de quatro chefes de Estado a Banjul para convencer Jammeh a deixar o poder. Sem sucesso.

Também o representante da ONU na África Ocidental, Mohamed Ibn Chambas, defendeu que o Presidente gambiano cessante deve "estar pronto a ceder o poder" em janeiro. Dia 19 termina o mandato de cinco anos de Jammeh.

Na cimeira de 17 de dezembro da CEDEAO, os dirigentes oeste-africanos decidiram "garantir a segurança e proteção" de Adama Barrow e deslocarem-se à Banjul para a sua posse como chefe de Estado a 19 de janeiro.

"Não serei intimidado por qualquer potência no mundo", disse Jammeh na noite de terça-feira, considerando que só será feita justiça se "se organizar uma nova eleição, para que cada gambiano vote".

"E esta é a única maneira de resolver esta questão de forma pacífica e equitativa", insistiu.

A União Africana considerou que as eleições do início de dezembro foram "livres e transparentes" e defendeu uma transferência de poderes "rápida e pacífica" para preservar a estabilidade e a democracia na Gâmbia e em toda a região.

Jammeh chegou ao poder em 1994 através de um golpe de Estado e é há muito acusado por organizações de defesa dos direitos humanos de deter, torturar e assassinar opositores.

Lusa

  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.