sicnot

Perfil

Mundo

Russos presos por cenas de violência no Euro2016 serão deportados em janeiro

© Eric Gaillard / Reuters

Três russos, que foram presos devido aos confrontos com adeptos ingleses antes do jogo entre as duas seleções no Euro2016 de futebol, vão ser libertados e deportados no próximo mês, avançou a agência AFP.

O trio, que pediu liberdade condicional, será libertado a 09 de janeiro e expulso de França sete dias depois, disse hoje à AFP Alexandre Robelet, o advogado de Alexei Yerunov, que inicialmente foi condenado a dois anos de prisão pelos confrontos nas ruas de Marselha, a 11 de junho.

A sentença de Yerunov foi reduzida para 18 meses, após recurso, enquanto Sergei Gorbachev, condenado inicialmente a 18 meses, viu a justiça encurtar a pena para 15 meses. Nikolai Morozov cumpre uma pena de 12 meses.

Os três homens estavam entre os 43 adeptos russos que seguiam num autocarro, mandado parar pela polícia três dias depois dos distúrbios registados antes do encontro da fase de grupos.

20 dos apoiantes russos detidos foram expulsos de França, na sequência dos confrontos que deixaram 35 pessoas feridas, a maioria das quais adeptos franceses.

Seis adeptos ingleses foram condenados a penas de prisão mais curtas por episódios de violência.

Lusa

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.