sicnot

Perfil

Mundo

ONU aprova comissão para investigar crimes graves na Síria

A Assembleia-Geral das Nações Unidas aprovou esta quarta-feira a criação de uma comissão para apoiar a investigação dos crimes mais graves, cometidos durante a guerra na Síria.

A iniciativa, promovida pelo Liechtenstein com o apoio de dezenas de países, recebeu 105 votos a favor, 15 contra e 52 abstenções, segundo a agência espanhola Efe.

O texto estabelece um "mecanismo internacional, imparcial e independente" para ajudar na investigação e julgamento dos responsáveis pelos crimes mais graves cometidos na Síria desde março de 2011.

Este organismo deverá cooperar com a comissão de inquérito sobre a Síria, criada 2011, para reunir, consolidar, preservar e analisar as provas de violações das normas internacionais humanitárias e de direitos humanos.

A Assembleia-Geral da ONU encarrega a Secretaria-Geral de desenvolver, no prazo de 20 dias, os pormenores deste mecanismo, para que seja implementado rapidamente.

O texto hoje aprovado insiste na "necessidade de garantir a prestação de contas" para o que aconteceu na Síria com os processos adequados a nível nacional e internacional.

Organizações, como a Human Rights Watch, incentivaram, nos últimos dias, os Estados-Membros para apoiar a resolução e garantir a justiça para as vítimas de crimes graves cometidos na Síria.

Hoje, a Rússia e outros países como o Irão, a Venezuela, Cuba e a África do Sul mostraram-se muito críticos com a resolução, e defenderam que a Assembleia-Geral está a cometer uma ingerência nos assuntos internos da Síria.

Por seu lado, o governo sírio insistiu, sem êxito, que a votação não devia ocorrer, alegando que a Assembleia-Geral não tem poder para resolver esta questão.

Lusa

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14