sicnot

Perfil

Mundo

Obama acaba com sistema de registo de homens imigrantes muçulmanos

© Carlos Barria / Reuters

A administração de Barack Obama divulgou esta quinta-feira que decidiu acabar com um sistema de vigilância usado após os atentados de 11 de setembro de 2001 que permitia identificar homens árabes e muçulmanos em todo o território dos Estados Unidos.

Após os atentados terroristas de 2001, Washington decidiu exigir o registo de imigrantes do sexo masculino de países predominantemente muçulmanos junto das entidades federais.

A decisão de acabar com este sistema de registo de entrada e saída (NSEERS, na sigla em inglês) surge numa altura em que o receio do terrorismo continua a assolar a comunidade internacional e que a Casa Branca será liderada, a partir de janeiro, por um Presidente que admitiu proibir imigrantes muçulmanos em território norte-americano.

Os Estados Unidos não usam este sistema desde 2011, mas um alto conselheiro para a área da imigração do Presidente dos Estados Unidos eleito, Donald Trump, admitiu a renovação deste programa de registo.

"Vocês conhecem os meus planos", afirmou na quarta-feira Donald Trump em declarações à comunicação social, depois do ataque de segunda-feira com um camião num mercado de Natal no centro de Berlim, que matou pelo menos 12 pessoas.

O programa NSEERS foi fortemente contestado pelos defensores dos direitos civis, que defenderam que o sistema era discriminatório, uma vez que identificava as pessoas com base na respetiva religião e raça.

O sistema foi lançado cerca de um ano depois dos atentados terroristas de 11 de setembro e exigia que homens e jovens de um conjunto de países, a maioria do Médio Oriente, se registassem junto das entidades federais após a sua chegada aos Estados Unidos.

O registo, que também era aplicado a imigrantes da Coreia do Norte, incluía impressões digitais e fotografias. As pessoas também eram obrigadas a notificar o governo se mudassem de residência.

A decisão da administração de Obama, que cessa funções em janeiro, será publicada oficialmente na sexta-feira.

O programa é "obsoleto", disse uma porta-voz do Departamento de Segurança Interna, Neema Hakim, justificando ainda que o pessoal e os recursos agregados a este sistema devem ser canalizados para "medidas mais eficazes".

Donald Trump, o 45.º presidente dos Estados Unidos, será empossado a 20 de janeiro numa cerimónia pública junto ao edifício do Capitólio, em Washington.

Lusa

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Dono de fábrica que ardeu na Anadia diz que produção não vai ser afetada
    2:04
  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Tragédia em Vila Nova da Rainha aconteceu há uma semana
    7:18
  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52