sicnot

Perfil

Mundo

Obama acaba com sistema de registo de homens imigrantes muçulmanos

© Carlos Barria / Reuters

A administração de Barack Obama divulgou esta quinta-feira que decidiu acabar com um sistema de vigilância usado após os atentados de 11 de setembro de 2001 que permitia identificar homens árabes e muçulmanos em todo o território dos Estados Unidos.

Após os atentados terroristas de 2001, Washington decidiu exigir o registo de imigrantes do sexo masculino de países predominantemente muçulmanos junto das entidades federais.

A decisão de acabar com este sistema de registo de entrada e saída (NSEERS, na sigla em inglês) surge numa altura em que o receio do terrorismo continua a assolar a comunidade internacional e que a Casa Branca será liderada, a partir de janeiro, por um Presidente que admitiu proibir imigrantes muçulmanos em território norte-americano.

Os Estados Unidos não usam este sistema desde 2011, mas um alto conselheiro para a área da imigração do Presidente dos Estados Unidos eleito, Donald Trump, admitiu a renovação deste programa de registo.

"Vocês conhecem os meus planos", afirmou na quarta-feira Donald Trump em declarações à comunicação social, depois do ataque de segunda-feira com um camião num mercado de Natal no centro de Berlim, que matou pelo menos 12 pessoas.

O programa NSEERS foi fortemente contestado pelos defensores dos direitos civis, que defenderam que o sistema era discriminatório, uma vez que identificava as pessoas com base na respetiva religião e raça.

O sistema foi lançado cerca de um ano depois dos atentados terroristas de 11 de setembro e exigia que homens e jovens de um conjunto de países, a maioria do Médio Oriente, se registassem junto das entidades federais após a sua chegada aos Estados Unidos.

O registo, que também era aplicado a imigrantes da Coreia do Norte, incluía impressões digitais e fotografias. As pessoas também eram obrigadas a notificar o governo se mudassem de residência.

A decisão da administração de Obama, que cessa funções em janeiro, será publicada oficialmente na sexta-feira.

O programa é "obsoleto", disse uma porta-voz do Departamento de Segurança Interna, Neema Hakim, justificando ainda que o pessoal e os recursos agregados a este sistema devem ser canalizados para "medidas mais eficazes".

Donald Trump, o 45.º presidente dos Estados Unidos, será empossado a 20 de janeiro numa cerimónia pública junto ao edifício do Capitólio, em Washington.

Lusa

  • Marcar cedo e resistir (ou como Portugal venceu Marrocos)

    Mundial 2018 / Portugal

    A seleção nacional alcançou hoje a primeira vitória no Mundial 2018, frente a Marrocos, em Moscovo. Cristiano Ronaldo (outra vez) marcou logo aos quatro minutos. Depois, Portugal pouco mais fez senão aguentar as investidas dos marroquinos, que ficam desde já afastados dos oitavos de final.

  • Fernando Santos dá um puxão de orelhas à equipa
    1:57
  • E vão quatro de Ronaldo
    1:58
  • Ronaldo, o motivador
    3:23
  • Os "memes" do desempenho de Cristiano Ronaldo frente a Marrocos
    1:25
  • Cristiano Ronaldo: o melhor do jogo, o melhor do Mundial, o melhor do mundo

    Mundial 2018 / Portugal

    Apesar da prestação de Rui Patrício na defesa da baliza lusa, Cristiano Ronaldo foi eleito o homem do jogo, pela segunda vez consecutiva, depois de marcar o golo que deu a vitória a Portugal frente a Marrocos. O capitão português ofereceu à equipa os três pontos essenciais para a eventual passagem aos oitavos de final. Mas Ronaldo não fica por aqui. Contas feitas, CR7 é o melhor marcador do Mundial (4 golos em 2 jogos) e já marcou 85 golos por Portugal, feito nunca antes alcançado nem por Eusébio nem por Pauleta. No auge dos 33 anos, há quem diga que Ronaldo "é como o vinho do Porto". Será que ainda vai chegar à marca dos 100? Parece que, para o CR7, nada é impossível.

  • Parecia que Rui Patrício tinha cola nas luvas
    5:40
  • Os momentos descontraídos dos jogadores que estão no Mundial
    1:54
  • Selecionador de Marrocos queixa-se da arbitragem
    1:41
  • Georgina Rodriguez assistiu ao jogo de Portugal e acenou a Ronaldo
    1:05
  • Schulz responde a Trump: "é um especialista em estatísticas criminais"

    Mundo

    "Donald Trump é um especialista em estatísticas criminais: pagamentos a estrelas porno, contactos ilegais com russos e diretores de campanha presos". Foi assim que o deputado alemão Martin Schulz respondeu ao Presidente norte-americano, depois de este ter afirmado várias vezes que a criminalidade na Alemanha aumentou devido à imigração.

    SIC

  • "Vou pedir a alguém que dê esta notícia por mim". Jornalista emociona-se com o caso dos bebés mexicanos separados das famílias
    0:49