sicnot

Perfil

Mundo

Presidente do Brasil diz que não renuncia e descarta mudanças no Governo

O Presidente do Brasil, Michel Temer, disse hoje que não renunciará ao cargo e descartou mudanças no seu Governo apesar de vários ministros e dele próprio terem sido citados em acusações ligadas aos escândalos de corrupção na Petrobras.

"Por enquanto, não há nenhuma intenção a esse respeito [sobre a possibilidade de renúncia]", afirmou o chefe de Estado brasileiro.

O Presidente falava num pequeno-almoço com jornalistas, em Brasília, no qual apresentou um relatório sobre a sua gestão, que oficialmente começou em agosto após a destituição de Dilma Rousseff.

Falando sobre a possibilidade de ser retirado do cargo pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) do país, o Presidente brasileiro afirmou que havendo uma decisão [de cassar a coligação com a ex-Presidente Dilma Rousseff], haverá recursos e mais recursos".

Michel Temer está sob investigação na justiça eleitoral brasileira, que atualmente analisa eventuais irregularidades cometidas no financiamento da campanha presidencial de 2014, cujo resultado poderia invalidar a eleição e, nesse caso, decretar a sua saída do Governo, uma vez que concorrer coligado com Dilma Rousseff e só assumiu a presidência porque esta foi destituída.

Sobre as denúncias do envolvimento de membros de sua equipa em casos de corrupção, Michel Temer citou especificamente o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, implicado por ex-diretores da Odebrecht como suposto recetor de subornos no âmbito das investigações da operação Lava Jato.

Michel Temer declarou que "[Eliseu] Padilha permanece firme e forte [no cargo]".

O chefe de Estado também insistiu que os "supostos testemunhos" de antigos executivos da Odebrecht que denunciaram estes casos na imprensa "não podem" ser usados como base para o Governo tomar as suas decisões.

De acordo com alguns destes testemunhos, o próprio Presidente teria pedido à Odebrecht a soma de 10 milhões de reais (2,8 milhões de euros) em nome do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) para usar na campanha presidencial de 2014.

As informações obtidas pela imprensa brasileira indicam que este dinheiro teria sido pago em duas parcelas, tendo sido uma delas pessoalmente recebida pelo agora ministro Eliseu Padilha e a outra por José Yunes, um assessor do Presidente que se demitiu depois de as denúncias terem sido divulgadas.

Lusa

  • GNR só teve acesso às imagens das agressões em Alcochete 12 horas depois
    1:42

    Crise no Sporting

    A GNR não pôde visionar as imagens de videovigilância da Academia de Alcochete logo que chegou ao local. O sistema estava inoperacional, o que fez com que as imagens só fossem entregues quase 12 horas depois do ataque à equipa do Sporting. Entre as provas recolhidas, estão também impressões digitais e vestígios de sangue encontrados na zona do balneário.

  • Juiz considera que agressões em Alcochete foram "ato terrorista"
    1:59

    Crise no Sporting

    O juiz que decretou a prisão preventiva dos 23 detidos pelo ataque à Academia do Sporting considera que se tratou de um ato terrorista. Diz mesmo que os agressores tiveram um comportamento chocante e que perverte o espírito desportivo. Sete dos 23 detidos já foram condenados por outros crimes, mas não chegaram a pena de prisão.

  • Gonçalo Guedes: o menino franzino que jogava mais que os outros em Benavente
    8:47
  • A promessa que João Mário vai ter de cumprir se Portugal for campeão
    1:36
  • Aprovadas mudanças no acesso ao ensino superior

    País

    O Governo aprovou esta quinta-feira o decreto-lei que estabelece o currículo dos ensinos básico e secundário, bem como os princípios orientadores da avaliação, voltando a nota de Educação Física a contar para a média de acesso ao ensino superior. No caso dos alunos do ensino profissional, são eliminados requisitos considerados discriminatórios no acesso ao ensino superior.

  • Universidade de Coimbra não retira Honoris Causa a Lula
    3:30
  • Estudo acaba com teorias da conspiração sobre a morte de Hitler

    Mundo

    Existem algumas versões sobre o desaparecimento do ditador nazi, Adolf Hitler. Há quem diga que viajou para um país da América do Sul, outros acreditam que está escondido na Antártida e há até quem vá mais longe e acredita que estaria na Lua. Mas, teorias da conspiração à parte, a história oficial diz que Hitler suicidou-se num bunker, em Berlim, Alemanha.

    SIC