sicnot

Perfil

Mundo

Coreia do Norte ridiculariza alegadas ambições políticas de Ban Ki-moon

Ban Ki-moon manifestou-se ainda "profundamente preocupado" com as tensões  elevadas na Península da Coreia, apelando a Pyongyang para se abster de  novos "passos desestabilizadores ou retórica belicosa", apontando o diálogo  como única via para a desmilitarização da Península (EPA/Arquivo)

MARTIAL TREZZINI

A Coreia do Norte ridicularizou o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, sobre a sua alegada ambição de concorrer às eleições sul-coreanas, referindo-o como um "oportunista camaleão sob uma máscara humana", com um "sonho vazio".

O portal de Internet Uriminzokkiri, dirigido pelo estado, refere esta sexta-feira que as alegadas ambições presidenciais de Ban são absurdas por causa da forma como desempenhou o cargo nas Nações Unidas nos últimos dez anos, que o deixou "na crítica e na vergonha".

Ban não declarou oficialmente a intenção de concorrer à presidência sul-coreana, mas também não negou o seu interesse.

Numa reunião com jornalistas sul-coreanos esta semana, Ban disse estar preparado para se dedicar à Coreia do Sul, no que foi interpretado como um sinal para uma candidatura presidencial.

Ban Ki-moon é mencionado há vários meses como um possível candidato à Presidência da Coreia do Sul, país que vive atualmente uma crise política depois de o parlamento ter aprovado a destituição da Presidente, Park Geun-hye, por envolvimento num escândalo de corrupção. A decisão dos deputados tem ainda de ser ratificada pelo Tribunal Constitucional.

O ainda secretário-geral da ONU, que foi ministro dos Negócios Estrangeiros entre 2004 e 2006, reconheceu que a situação da Coreia do Sul é "muito difícil", mas afirmou estar confiante que o povo sul-coreano irá superar os atuais problemas.

O antigo primeiro-ministro português e ex-Alto Comissário da ONU para os Refugiados António Guterres vai suceder a Ban Ki-moon no cargo de secretário-geral das Nações Unidas a partir de 01 de janeiro de 2017.

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".