sicnot

Perfil

Mundo

Putin diz que libertação de Alepo é "componente importante" para resolução do conflito

O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, afirmou hoje que a libertação da cidade de Alepo é uma "componente importante" da resolução do conflito na Síria.

"A libertação de Alepo é uma componente importante de normalização plena na Síria e também, creio, na região em geral", disse Putin durante uma reunião com o ministro da Defesa, Sergei Shoigu, que o informou do fim da operação naquela cidade.

Vladimir Putin sublinhou que a operação militar em Alepo, em particular a parte humanitária, contou com a "participação direta, para não dizer decisiva, pelos militares russos.

Na reunião, Putin pediu ao ministro da Defesa para transmitir aos militares russos as suas felicitações e gratidão pelo trabalho feito na Síria.

Shoigu, por sua vez, salientou que as operações em Alepo foram conduzidas "em estreita colaboração com o Irão e a Síria".

"Agora, deve começar a próxima fase. No meu entender, estamos muito perto de chegar a um acordo para um cessar-fogo total no território da Síria", disse.

O titular da Defesa russo disse que a população civil começou a voltar "ativamente" a Alepo, acrescentando que especialistas russos e elementos locais estão a trabalhar no sentido de repor a eletricidade e água potável na cidade.

O Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) confirmou hoje o fim da operação de retirada de civis e combatentes do leste da cidade síria de Alepo, de onde saíram 35.000 pessoas, segundo os seus registos.

A operação foi concluída esta noite e entre as pessoas retiradas há 100 feridos e doentes graves, segundo um comunicado do Comité Internacional da Cruz Vermelha.

Estas pessoas foram retiradas com a ajuda do Comité Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho Sírio (SARC) e levadas para zonas rurais da província de Alepo.

O texto refere que a retirada, iniciada na quinta-feira, esteve bloqueada várias vezes devido às negociações entre as diferentes partes no terreno e que esteve ligada a uma operação similar nas localidades de Fua e Kefraya, na província vizinha de Idleb.

Um total de 1.200 pessoas destas localidades, a maioria mulheres, menores e idosos, foram retiradas "temporariamente" em direção a Alepo, indicou o Comité Internacional da Cruz Vermelha.

O Internacional da Cruz Vermelha e o Crescente Vermelho Sírio não participam nas negociações entre as partes, mas foi-lhes solicitado que atuassem como intermediários "humanitários neutros" para implementar o acordo de retirada.

Lusa

  • Costa desvaloriza ameaça e mantém planos de visita a Angola
    2:27

    Economia

    O governo angolano reagiu duramente à acusação do Ministério público portugues contra o vice-presidente de Angola. Luanda diz que a acusação é um sério ataque à República de Angola que pode perturbar as relações entre os dois paises. António Costa desvaloriza a ameaça e mantém os planos de uma visita a Angola na primavera.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.