sicnot

Perfil

Mundo

Washington inclui na sua lista negra económica diversos ministros sírios

Pablo Martinez Monsivais

Os Estados Unidos anunciaram esta sexta-feira a inclusão na sua lista negra económica de diversos ministros sírios, incluindo o responsável pelas Finanças Mamun Hamdan, e ainda responsáveis de um banco russo, por envolvimento nas "violências" cometidas pelo regime de Damasco.

O governador do banco central sírio Dureid Durgham, o ministro sírio do Petróleo Ali Ghanem e a companhia síria Cham Wings foram igualmente abrangidos pelas sanções do Departamento do Tesouro (equivalente ao Ministério das Finanças) norte-americano, que congelam os seus eventuais bens nos Estados Unidos e os isolam financeiramente.

O Tesouro também visou duas empresas controladas pelo milionário Rami Makhlouf, primo do Presidente Bashar al-Assad, incluído na lista negra norte-americana desde 2008.

As novas sanções foram anunciadas após o regime sírio ter anunciado na quinta-feira o controlo total da cidade de Alepo após uma intensa campanha de bombardeamentos, na sua mais significativa vitória militar desde o início da guerra em 2011 que já provocou mais de 310.000 mortos no país do Médio Oriente.

"Os ataques diários do governo de Bashar al-Assad dirigidos contra civis são condenáveis e o governo e seus colaboradores devem ser isolados e responder pelos seus atos bárbaros", afirmou Adam Szubin, subsecretário do Tesouro responsável pelas sanções financeiras.

Segundo as autoridades norte-americanas, as pessoas e empresas abrangidas por esta medida forneceram o seu apoio ao governo sírio, atuaram em seu nome ou facilitaram o programa de "armas de destruição em massa" que teria sido desenvolvido por Damasco.

Nos anos mais recentes, europeus e norte-americanos multiplicaram as sanções contra o regime de Bashar al-Assad, por ter reprimido um levantamento popular que degenerou num conflito em larga escala.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.