sicnot

Perfil

Mundo

Washington inclui na sua lista negra económica diversos ministros sírios

Pablo Martinez Monsivais

Os Estados Unidos anunciaram esta sexta-feira a inclusão na sua lista negra económica de diversos ministros sírios, incluindo o responsável pelas Finanças Mamun Hamdan, e ainda responsáveis de um banco russo, por envolvimento nas "violências" cometidas pelo regime de Damasco.

O governador do banco central sírio Dureid Durgham, o ministro sírio do Petróleo Ali Ghanem e a companhia síria Cham Wings foram igualmente abrangidos pelas sanções do Departamento do Tesouro (equivalente ao Ministério das Finanças) norte-americano, que congelam os seus eventuais bens nos Estados Unidos e os isolam financeiramente.

O Tesouro também visou duas empresas controladas pelo milionário Rami Makhlouf, primo do Presidente Bashar al-Assad, incluído na lista negra norte-americana desde 2008.

As novas sanções foram anunciadas após o regime sírio ter anunciado na quinta-feira o controlo total da cidade de Alepo após uma intensa campanha de bombardeamentos, na sua mais significativa vitória militar desde o início da guerra em 2011 que já provocou mais de 310.000 mortos no país do Médio Oriente.

"Os ataques diários do governo de Bashar al-Assad dirigidos contra civis são condenáveis e o governo e seus colaboradores devem ser isolados e responder pelos seus atos bárbaros", afirmou Adam Szubin, subsecretário do Tesouro responsável pelas sanções financeiras.

Segundo as autoridades norte-americanas, as pessoas e empresas abrangidas por esta medida forneceram o seu apoio ao governo sírio, atuaram em seu nome ou facilitaram o programa de "armas de destruição em massa" que teria sido desenvolvido por Damasco.

Nos anos mais recentes, europeus e norte-americanos multiplicaram as sanções contra o regime de Bashar al-Assad, por ter reprimido um levantamento popular que degenerou num conflito em larga escala.

Lusa

  • Costa desvaloriza ameaça e mantém planos de visita a Angola
    2:27

    Economia

    O governo angolano reagiu duramente à acusação do Ministério público portugues contra o vice-presidente de Angola. Luanda diz que a acusação é um sério ataque à República de Angola que pode perturbar as relações entre os dois paises. António Costa desvaloriza a ameaça e mantém os planos de uma visita a Angola na primavera.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.