sicnot

Perfil

Mundo

Papa diz que é tempo de "calar as armas" na Síria

Papa diz que é tempo de "calar as armas" na Síria

O Papa apelou ao fim do terrorismo e da guerra na missa desta manhã, no Vaticano. Lançou um apelo à paz "na Síria martirizada onde tanto sangue foi já derramado" pedindo que "as armas se calem definitivamente".

"É tempo de as armas se calarem definitivamente e que a comunidade internacional se empenhe ativamente numa solução negocial", declarou o papa na Praça de São Pedro, no Vaticano, por ocasião da tradicional mensagem de Natal, antes da bênção "Urbi et Orbi".

O líder religioso apelou ainda à paz na Terra Santa, pedindo que "israelitas e palestinianos tenham a coragem e a determinação de escrever uma nova página da História, onde o ódio e a vingança deem lugar à vontade de construírem juntos um futuro de compreensão recíproca e harmonia".

O chefe da Igreja Católica dirigiu ainda uma mensagem a todos os que perderam entes queridos em atos terroristas: "paz para quem perdeu um ente querido por causa de atos de terrorismo atrozes, que semearam o medo e a morte em tantos países e cidades".

A 19 de dezembro, um ataque com um camião provocou 19 mortos num mercado de Natal, em Berlim, na Alemanha.

  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.