sicnot

Perfil

Mundo

Descoberta vala comum com 21 corpos no ex-bastião rebelde de Alepo

Uma vala comum com 21 corpos de civis foi descoberta numa antiga zona rebelde da cidade de Alepo (norte da Síria), informou no domingo à noite a agência noticiosa estatal Sana, que atribuiu responsabilidades aos movimentos insurgentes sírios.

"Os civis foram executados por grupos terroristas antes de abandonarem os bairros da zona leste da cidade de Alepo", segundo avançou a agência oficial, hoje citada por agências internacionais.

A agência Sana utiliza a designação de grupos terroristas (termo aplicado pelo regime de Damasco) para referir-se aos grupos rebeldes.

Citado pela agência, o chefe do departamento de médicos legistas em Alepo, Zaher Hajjo, afirmou que "cinco crianças e cinco mulheres" figuram entre as vítimas.

As vítimas foram encontradas "nas prisões que eram controladas pelos grupos terroristas nos bairros de Soukkari e Al-Kallassé e foram executadas com tiros à queima-roupa", acrescentou o mesmo responsável.

Na sequência de um acordo inédito entre a Rússia, um forte aliado do Presidente sírio Bashar al-Assad, e a Turquia, apoiante da oposição que tenta derrubar o regime de Damasco, cerca de 35 mil pessoas (combatentes rebeldes e civis) foram retiradas durante a semana passada do ex-bastião rebelde de Alepo, a segunda cidade mais importante da Síria.

Dias antes da operação de evacuação da zona leste da cidade, as Nações Unidas afirmaram terem recebido informações credíveis sobre a execução de pelo menos 82 civis, incluindo 11 mulheres e 13 crianças, por milícias pró-governamentais.

O Ministério da Defesa russo também informou hoje sobre a descoberta de "valas comuns com dezenas de sírios executados sumariamente e vítimas de atos selvagens de tortura".

"A maioria foi morta com uma bala na cabeça e muitos corpos não estão inteiros", indicou um porta-voz do Ministério da Defesa russo, o general Igor Konachenkov, citado pelas agências russas.

O mesmo representante realçou que investigações minuciosas vão forçar os apoiantes ocidentais da oposição síria "a reconhecer a respetiva responsabilidade pela crueldade" dos rebeldes.

Vários países ocidentais têm acusado a Rússia -- que tem realizado intensos ataques aéreos na zona leste de Alepo -- e o regime sírio de terem cometido "crimes contra a humanidade".

Lusa

  • Lei existe há quatro anos mas não tem regulamentação
    2:03
  • Denúncia de maus tratos a cães no canil municipal de Elvas
    2:24

    País

    O Grupo de Intervenção e Resgate Animal denunciou nas redes sociais alegados maus tratos a animais no canil municipal de Elvas. As imagens mostram uma cadela com uma corda ao pescoço. A autarquia abriu um inquérito para averiguar o caso, suspendendo também o trabalho dos voluntários no canil.

  • Dois em cada três portugueses vivem vidas sedentárias

    País

    Com menos de hora e meia de exercício semanal, mais de dois terços dos portugueses vivem vidas sedentárias. E a maioria desvaloriza a importância da atividade física, segundo um inquérito divulgado esta quinta-feira pela Fundação Portuguesa de Cardiologia.

  • Ovibeja aposta este ano na internacionalização da agricultura
    2:07

    País

    A Ovibeja começou esta quinta-feira e este ano aposta na internacionalização dos produtos agrícolas do Alentejo. Centenas de expositores esgotam o certame, que é uma monstra da agricultura portuguesa. António Costa, na sexta-feira, e Marcelo Rebelo de Sousa, no sábado, são alguns dos políticos com a presença marcada em Beja.

  • Estados Unidos vão reforçar as sanções à Coreia do Norte
    1:31

    Mundo

    Washington pretende também investir nos esforços diplomáticos para que Pyongyang ponha fim aos programas nucleares e de mísseis. A nova estratégia de Donald Trump foi anunciada quarta-feira à noite. A força aérea norte-americana testou esta quarta-feira um míssil de longo-alcance que percorreu 6800 quilómetros sobre o Pacífico a partir de uma base na Califórnia.

  • Le Pen vai à pesca
    0:35

    Eleições França 2017

    Marine Le Pen, candida à presidência de França fez esta quinta-feira uma "pausa" na campanha eleitoral e aproveitou para ir à pesca. A candidata navegou num barco de pesca no Mediterrâneo.