sicnot

Perfil

Mundo

Governo iraquiano estima precisar de três meses para derrotar "jihadistas" do Daesh

© Fabrizio Bensch / Reuters

O primeiro-ministro iraquiano, Haidar Al-Abadi, declarou esta terça-feira que o Iraque precisa de três meses para acabar com o grupo "jihadista" Estado Islâmico (EI), contra o qual as forças governamentais conduzem uma grande ofensiva no norte do país.

Numa conferência de imprensa em Bagdad, o chefe do executivo disse que, de acordo com os dados de que o Governo dispõe, é necessário esse período de tempo para derrotar o EI "de forma definitiva", embora não tenha fornecido mais pormenores sobre o assunto.

"Estamos a travar uma guerra de desgaste contra o EI, e há baixas diárias nas fileiras do grupo", salientou o governante.

Segundo Abadi, as forças governamentais continuam a realizar os preparativos e os planos necessários à ofensiva que teve início a 17 de outubro para retomar aos "jihadistas" a província de Nínive e a sua capital, Mossul.

Por outro lado, Abadi negou a existência de forças estrangeiras no território iraquiano.

"Não há nenhum soldado estrangeiro a lutar no Iraque, e os que estão aqui são instrutores e assessores que prestam apoio e dão treino" às tropas iraquianas, disse o primeiro-ministro.

O Iraque está a receber o apoio da coligação internacional anti-"jihadista" liderada pelos Estados Unidos, cuja aviação participa na ofensiva contra os extremistas em Nínive e noutros pontos do país.

Lusa

  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • População afetada pelo fogo tenta repor o que as chamas destruíram
    1:54
  • "Juntos por Todos" hoje no palco em Lisboa
  • Autarca garante que não houve "touros de fogo"

    País

    O presidente da Câmara de Benavente disse esta segunda-feira à Lusa que a atividade "touros de fogo" foi retirada do programa da Festa da Amizade depois de recebido um parecer desfavorável da Direção-Geral de Veterinária.