sicnot

Perfil

Mundo

Thomas Bossert será conselheiro de Trump para segurança e antiterrorismo

Andrew Harnik

O Presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, divulgou esta terça-feira a escolha de Thomas Bossert, um antigo elemento da equipa do ex-Presidente George W. Bush, para conselheiro em matérias de segurança nacional, antiterrorismo e cibersegurança.

"Tom (Bossert) traz para a nossa equipa da Casa Branca uma enorme profundidade e uma grande extensão de conhecimento e de experiência para a proteção da nossa pátria", destacou Trump.

Para o Presidente eleito, o novo conselheiro será um "ativo inestimável" para a nova administração norte-americana porque conhece a "complexidade dos desafios da segurança nacional, da luta antiterrorista e da cibersegurança".

Thomas Bossert aceitou o convite de Trump e agradeceu ao magnata nova-iorquino a "fé" que depositou na sua pessoa e a "oportunidade" de servir num cargo que exige uma grande confiança pública.

"Espero trabalhar em estreita colaboração com o general Michael Flynn (escolhido para ser o principal conselheiro para a segurança nacional) para juntos ajudarmos o Presidente eleito a promover os interesses dos Estados Unidos e dos seus aliados", afirmou Bossert, que já assumiu no passado uma posição similar na Casa Branca.

O novo elemento da equipa de Trump foi assessor para a segurança interna durante a administração do também republicano George W. Bush (2001-2009). Na altura, Thomas Bossert assessorou Bush "em questões de segurança nacional, antiterrorismo, cibersegurança e continuidade de operações".

Entre outras iniciativas, Bossert liderou "os esforços para melhorar as operações civis do governo" e foi coautor e redator em 2007 da Estratégia Nacional para a Segurança Nacional, bem como foi responsável pelo relatório sobre a eficácia do programa governamental de reação ao furação Katrina, que devastou a zona de Nova Orleães em 2005.

Também esteve envolvido no desenvolvimento de estratégias para a cibersegurança nos Estados Unidos.

Desde 2009, Thomas Bossert, que estudou Direito na Universidade George Washington e Administração Empresarial na Universidade de Pittsburgh, lançou uma consultora especializada na área da segurança nacional e integrou o Conselho do Atlântico, organização criada em 1961 para promover uma aproximação entre a Europa e os Estados Unidos da América.

Lusa

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.