sicnot

Perfil

Mundo

Alemanha apoiou este ano o regresso ao país natal de mais de 54 mil migrantes

© Marko Djurica / Reuters

As autoridades alemãs anunciaram que mais de 54 mil migrantes, incluindo candidatos a asilo rejeitados, receberam apoio financeiro este ano do Estado alemão para regressarem ao país natal, aumentando significativamente os estímulos para o regresso voluntário dos mesmos.

A Alemanha está empenhada em fazer regressar aos países de origem o maior número possível de candidatos a asilo rejeitados, depois de um influxo de 890 mil migrantes no ano passado.

O porta-voz do Ministério alemão do Interior, Harald Neymanns, indicou esta quarta-feira, de acordo com a agência Associated Press, que o total de fundos aprovados para o apoio ao regresso de migrantes foi de 21,5 milhões de euros.

A mesma fonte acrescentou que 35,5 mil pessoas com ordem de saída da Alemanha o fizeram voluntariamente em 2015, mas sublinhou que esse número não pode ainda ser comparado com o de 2016, uma vez que este ainda não está fechado.

Neymanns recordou que o ministro do Interior, Thomas de Maiziere "sempre disse que o regresso voluntário é preferível à deportação".

Lusa

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.