sicnot

Perfil

Mundo

John Kerry avisa que política de colonatos ameaça futuro de Israel

© JAMES LAWLER DUGGAN / Reuters

O ainda secretário de Estado norte-americano, John Kerry, advertiu esta quarta-feira que a construção de colonatos israelitas na Cisjordânia ameaça a esperança de alcançar a paz com os palestinianos, mas também o futuro do próprio país enquanto democracia.

Num discurso em Washington, e a menos de um mês de deixar a administração norte-americana, John Kerry apresentou esta quarta-feira a sua visão para uma solução do conflito de longa data entre israelitas e palestinianos.

O ainda chefe da diplomacia norte-americana chamou a atenção para o facto de Israel estar a seguir um caminho que irá conduzir a uma "ocupação perpétua" das terras palestinianas.

"Hoje, há o mesmo número de judeus e de palestinianos a viver entre o rio Jordão e o Mar Mediterrâneo", disse Kerry, diante de uma plateia composta por diplomatas, projetando dois possíveis cenários: "Podem escolher viver juntos num Estado, ou podem separar-se em dois Estados".

"Mas aqui está uma realidade fundamental: se a escolha é um Estado, Israel pode ser judeu ou democrático -- não pode ser ambos -- e nunca estará realmente em paz", salientou.

"Como Israel pode conciliar a sua ocupação perpétua com os seus ideais democráticos?", acrescentou.

Nestes últimos dias da administração de Barack Obama, e numa altura em que governo israelita reagiu de forma hostil à recente resolução do Conselho de Segurança da ONU a exigir a suspensão da política de colonatos (aprovada com a abstenção de Washington), John Kerry quis mostrar o seu empenho político com o processo de paz para o Médio Oriente.

O ainda secretário de Estado norte-americano reafirmou que a solução de dois Estados é "a única via possível para conseguir uma paz justa e duradoura entre israelitas e palestinianos".

Mas esta solução está "em grande perigo", frisou Kerry, que deixará funções a 20 de janeiro.

Na sua intervenção, John Kerry exortou israelitas e palestinianos a viverem em dois Estados separados com base no traçado fronteiriço de 1967 -- antes da guerra dos Seis Dias -- e considerou que Jerusalém deveria ser a capital dos dois Estados.

Kerry indicou que uma "troca de territórios equivalentes" poderia ocorrer para modificar fronteiras, mas só com o mútuo consentimento.

Argumentou ainda que Jerusalém devia ser reconhecida como a capital dos dois Estados e aqueles países que não reconhecem Israel como o Estado judeu deviam o fazer.

"Compete aos israelitas e aos palestinianos fazerem as escolhas difíceis para a paz, mas todos nós podemos ajudar", frisou o ainda chefe da diplomacia norte-americana.

Donald Trump, vencedor das eleições do passado dia 08 de novembro, e que será empossado Presidente dos Estados Unidos a 20 de janeiro de 2017, criticou severamente a posição dos Estados Unidos na recente votação no Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Os Estados Unidos abstiveram-se na votação da resolução, posição que gerou controvérsia e a ira de Telavive, uma vez que Israel sempre contou com o apoio de Washington neste dossiê sensível. A posição norte-americana, que aconteceu pela primeira vez desde 1979, permitiu a adoção da resolução, aprovada pelos outros 14 membros do Conselho de Segurança.

"Não podemos continuar a deixar que Israel seja tratado com um total desprezo e com tal desrespeito", escreveu na rede social Twitter o Presidente dos Estados Unidos eleito.

"Estavam habituados a ter um grande amigo nos Estados Unidos, mas já não é o caso. O início do fim foi aquele acordo horrível com o Irão (sobre o programa nuclear iraniano) e agora (na ONU)! Mantenha-se forte Israel, o dia 20 de janeiro está próximo", acrescentou Trump.

Lusa

  • Leão de Ouro de Souto de Moura faz "muito bem à alma" dos portugueses
    1:53
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos.

  • Na linha do triunfo
    16:49
  • Chamas do incêndio no Europa Park na Alemanha atingiram os 15 metros de altura
    0:57