sicnot

Perfil

Mundo

Panda mais velho do mundo morre aos 31 anos na China

© China Daily China Daily Infor

O urso panda Pan Pan, de que descendem 140 animais desta espécie - e um quarto dos que vivem em cativeiro em todo o mundo - morreu esta quarta-feira num centro na cidade chinesa de Dujiangyan, informou a imprensa oficial.

O panda tinha 31 anos, o equivalente a 93 anos nos humanos, e era mais o velho do mundo, depois de em outubro ter morrido em Hong Kong a panda Jia Jia, aos 38 anos.

Pan Pan encontrava-se debilitado devido à idade: sofria de cataratas, tensão arterial alta, tinha dificuldades em alimentar-se por ter má dentição e em junho passado foi-lhe diagnosticado cancro.

O animal vivia num centro para pandas idosos e doentes em Dujiangyan, onde são assistidos cerca de 30 pandas, a maioria com mais de 20 anos.

A morte de Pan Pan foi recebida com tristeza pelos órgãos de comunicação oficiais como a agência Xinhua e os jornais Global Times e Diário do Povo, que enviaram através do Twitter mensagens de despedida para o "avô dos pandas", como era conhecido pelo seu contributo para a continuidade da espécie em cativeiro.

Devido à sua baixa taxa de natalidade, os programas de reprodução em cativeiro tornaram-se um elemento essencial para assegurar a sobrevivência dos pandas.

Atualmente há cerca de 2.200 pandas, dos quais 400 em cativeiro, incluindo em jardins zoológicos.

Lusa

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC