sicnot

Perfil

Mundo

República Checa vai inaugurar unidade especial contra notícias falsas

© David W Cerny / Reuters

A República Checa vai inaugurar no início de 2017 uma unidade especial de peritos, no âmbito do ministério do Interior, para combater a desinformação e as notícias falsas que parecem, na maioria, proceder da Rússia.

"A ideia é alertar a sociedade sobre informações que não assentam na verdade e põem em perigo a segurança interna do país", explicou a diretora da nova unidade, Eva Romancovova, numa entrevista publicada esta quarta-feira no diário Hospodarské Noviny.

O nome da nova unidade é "Centro contra o Terrorismo e Ameaças Híbridas" e os seus 15 especialistas vão verificar a autenticidade de mensagens difundidas nas redes sociais ou em portais da internet pouco conhecidos.

Esta iniciativa é uma resposta do Governo checo aos crescentes receios de uma possível ingerência de potências estrangeiras, sobretudo da Rússia, nas eleições legislativas marcadas para outubro próximo.

A República Checa não é o único país europeu que suspeita de que a Rússia poderá tentar influenciar umas eleições: também na vizinha Alemanha, o Governo teme uma campanha russa de desinformação nas eleições gerais de 2017.

Até a União Europeia (UE) tem uma rede própria (euvsdisinfo-eu) e várias contas nas redes sociais Twitter e Facebook para denunciar campanhas russas de desinformação.

Em declarações recentes, o ministro do Interior checo, o social-democrata Milan Chovanec, sublinhou que a difusão de informações falsas "põe em perigo a estabilidade e a segurança da sociedade checa".

Segundo o ministro, o resultado desta propaganda é que uma parte da opinião pública checa acredita que os Estados Unidos estão por detrás da crise de refugiados e tem dúvidas quanto à defesa coletiva da NATO.

O perigoso alcance das notícias falsas, divulgadas através das redes sociais ou de certas páginas da internet, viu-se na semana passada, quando um ministro paquistanês ameaçou Israel de ataque nuclear por causa de uma suposta notícias que afinal fora inventada.

Apesar de tudo, a iniciativa de criar uma agência contra as notícias falsas conta também com alguns críticos.

O Presidente checo, o social-democrata Milos Zeman, expressou esta semana o receio de que a nova unidade contra a desinformação se transforme em censor, como na era comunista.

"Se vamos continuar a viver numa sociedade livre e democrática, não precisamos de censura, não precisamos de uma polícia das ideias", defendeu o chefe de Estado checo, conhecido pelas suas posições favoráveis à Rússia e críticas da UE.

"Lamentamos, mas está a colocar-nos na posição que devemos desempenhar: a de desmentir informação que é falsa", respondeu Eva Romancovova.

Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.