sicnot

Perfil

Mundo

República Checa vai inaugurar unidade especial contra notícias falsas

© David W Cerny / Reuters

A República Checa vai inaugurar no início de 2017 uma unidade especial de peritos, no âmbito do ministério do Interior, para combater a desinformação e as notícias falsas que parecem, na maioria, proceder da Rússia.

"A ideia é alertar a sociedade sobre informações que não assentam na verdade e põem em perigo a segurança interna do país", explicou a diretora da nova unidade, Eva Romancovova, numa entrevista publicada esta quarta-feira no diário Hospodarské Noviny.

O nome da nova unidade é "Centro contra o Terrorismo e Ameaças Híbridas" e os seus 15 especialistas vão verificar a autenticidade de mensagens difundidas nas redes sociais ou em portais da internet pouco conhecidos.

Esta iniciativa é uma resposta do Governo checo aos crescentes receios de uma possível ingerência de potências estrangeiras, sobretudo da Rússia, nas eleições legislativas marcadas para outubro próximo.

A República Checa não é o único país europeu que suspeita de que a Rússia poderá tentar influenciar umas eleições: também na vizinha Alemanha, o Governo teme uma campanha russa de desinformação nas eleições gerais de 2017.

Até a União Europeia (UE) tem uma rede própria (euvsdisinfo-eu) e várias contas nas redes sociais Twitter e Facebook para denunciar campanhas russas de desinformação.

Em declarações recentes, o ministro do Interior checo, o social-democrata Milan Chovanec, sublinhou que a difusão de informações falsas "põe em perigo a estabilidade e a segurança da sociedade checa".

Segundo o ministro, o resultado desta propaganda é que uma parte da opinião pública checa acredita que os Estados Unidos estão por detrás da crise de refugiados e tem dúvidas quanto à defesa coletiva da NATO.

O perigoso alcance das notícias falsas, divulgadas através das redes sociais ou de certas páginas da internet, viu-se na semana passada, quando um ministro paquistanês ameaçou Israel de ataque nuclear por causa de uma suposta notícias que afinal fora inventada.

Apesar de tudo, a iniciativa de criar uma agência contra as notícias falsas conta também com alguns críticos.

O Presidente checo, o social-democrata Milos Zeman, expressou esta semana o receio de que a nova unidade contra a desinformação se transforme em censor, como na era comunista.

"Se vamos continuar a viver numa sociedade livre e democrática, não precisamos de censura, não precisamos de uma polícia das ideias", defendeu o chefe de Estado checo, conhecido pelas suas posições favoráveis à Rússia e críticas da UE.

"Lamentamos, mas está a colocar-nos na posição que devemos desempenhar: a de desmentir informação que é falsa", respondeu Eva Romancovova.

Lusa

  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57
  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31
  • 245 saltam de ponte de 30m no Brasil para Recorde do Guiness
    1:56
  • Antigos presidentes dos EUA angariam 26 milhões para vítimas dos furacões
    0:58

    Mundo

    Os cinco antigos presidentes dos Estados Unidos da América ainda vivos juntaram-se para ajudar as vítimas dos furacões. Bill Clinton e Barack Obama lembraram as vítimas dos furacões e elogiaram o espírito solidário dos norte-americanos. Os antigos presidentes norte-americanos lançaram o apelo no início do mês passado e já conseguiram angariar cerca de 26 milhões de euros.