sicnot

Perfil

Mundo

Embaixada russa na Síria atingida com tiros de morteiro

(Arquivo)

© Sana Sana / Reuters

A embaixada da Rússia na Síria voltou esta quinta-feira a ser alvo de tiros de morteiro, informou o Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, acrescentando que o incidente não fez vítimas mortais ou feridos.

"Um projétil de morteiro disparado a partir de um subúrbio de Damasco [capital síria], controlado pelos rebeldes, caiu na área da embaixada da Rússia, perto da entrada do serviço consular da embaixada", disse a porta-voz da diplomacia russa, Maria Zakharova, citada num comunicado.

"A explosão do morteiro provocou danos materiais menores. Ninguém ficou ferido", precisou a representante, denunciando ainda uma "tentativa de inviabilizar os esforços para garantir o cessar-fogo" que deve entrar em vigor em todo o território sírio a partir das 00:00 de sexta-feira.

Na quarta-feira, a representação diplomática russa em Damasco já tinha sido bombardeada, duas vezes, por tiros de morteiro. Também não houve registo de vítimas ou danos.

"Este novo ataque contra a missão diplomática russa é inaceitável e deve ser firmemente condenada", acrescentou Zakharova.

O ataque acontece algumas horas depois de o Presidente russo, Vladimir Putin, ter anunciado a entrada em vigor de um cessar-fogo na Síria a partir da meia-noite de sexta-feira e um acordo entre o regime do Presidente sírio (aliado da Rússia), Bashar al-Assad, e os rebeldes sírios para iniciaram negociações de paz sob a égide da Turquia e do Irão.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.