sicnot

Perfil

Mundo

Seul revela que Kim Jong-un praticou 340 purgas durante cinco anos no poder

© KCNA KCNA / Reuters

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, levou a cabo 340 purgas durante os seus cinco anos no poder, segundo o relatório anual dos serviços de informação da Coreia do Sul publicado esta quinta-feira.

O relatório apresentado pelo Instituto de Estratégia de Segurança Social sul-coreano - dependente do serviço de inteligência - destaca que Kim Jong-un, que na sexta-feira cumpre cinco anos à frente da Coreia do Norte, "praticou, de forma flagrante, atos desumanos" para consolidar o poder.

"Desde que o Norte executou o seu ministro da Defesa, Hyon Yong-chol, em 2015, conteve-se mais na sua purga de altos funcionários. Mas, no total, executou cerca de 140 altos funcionários, incluindo três este ano", segundo o relatório.

Além disso, relativamente à população em geral, cerca de 60 residentes foram executados publicamente até agosto, de acordo com o documento.

No entanto, informações erróneas sobre purgas e execuções, publicadas nos últimos anos, puseram em causa os dados do serviço de inteligência sul-coreano.

Lusa

  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.