sicnot

Perfil

Mundo

Seul revela que Kim Jong-un praticou 340 purgas durante cinco anos no poder

© KCNA KCNA / Reuters

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, levou a cabo 340 purgas durante os seus cinco anos no poder, segundo o relatório anual dos serviços de informação da Coreia do Sul publicado esta quinta-feira.

O relatório apresentado pelo Instituto de Estratégia de Segurança Social sul-coreano - dependente do serviço de inteligência - destaca que Kim Jong-un, que na sexta-feira cumpre cinco anos à frente da Coreia do Norte, "praticou, de forma flagrante, atos desumanos" para consolidar o poder.

"Desde que o Norte executou o seu ministro da Defesa, Hyon Yong-chol, em 2015, conteve-se mais na sua purga de altos funcionários. Mas, no total, executou cerca de 140 altos funcionários, incluindo três este ano", segundo o relatório.

Além disso, relativamente à população em geral, cerca de 60 residentes foram executados publicamente até agosto, de acordo com o documento.

No entanto, informações erróneas sobre purgas e execuções, publicadas nos últimos anos, puseram em causa os dados do serviço de inteligência sul-coreano.

Lusa

  • "Joguem à bola"
    1:35

    Desporto

    Cerca de uma centena de adeptos do Sporting esperaram até perto das 3:00 pela chegada da equipa ao estádio de Alvalade. Depois da eliminação da Taça de Portugal, em Chaves, foi necessário o reforço policial para garantir a segurança da comitiva leonina.

  • Oposição diz que défice abaixo dos 2,3% se deve ao aumento de impostos
    2:24

    Economia

    O défice de 2016 vai ficar abaixo dos 2,3%, uma garantia dada pelo primeiro-ministro durante o debate quinzenal desta terça-feira. A oposição diz que o resultado é bom para o país mas que se deve a um aumento de impostos, feito pelo Governo no ano passado, e ao trabalho do PSD e do CDS nos anos anteriores.

  • Obama encurta pena de delatora do Wikileaks
    1:45
  • Putin sai em defesa de Trump
    2:29

    Mundo

    Vladimir Putin já saiu em defesa de Donald Trump e diz que houve uma tentativa de minar o Presidente eleito dos Estados Unidos, através de um alegado relatório, atribuido à espionagem russa. Putin diz que o relatório é falso.