sicnot

Perfil

Mundo

Embaixador dos EUA deixa Lisboa a 20 de janeiro

© Lucas Jackson / Reuters

O embaixador dos Estados Unidos em Portugal, Robert Sherman, deixará Lisboa a 20 de janeiro, cumprindo assim uma norma estabelecida sempre que uma nova administração norte-americana é eleita, indicou esta sexta-feira à Lusa fonte da representação diplomática.

Donald Trump, vencedor das eleições presidenciais do passado dia 08 de novembro, será empossado a 20 de janeiro, numa cerimónia pública junto ao edifício do Capitólio, em Washington.

"O embaixador Sherman iria sempre partir depois das eleições, independentemente dos resultados eleitorais", afirmou a fonte da embaixada norte-americana, precisando que todas as novas administrações pedem aos embaixadores políticos, aqueles que não são diplomatas de carreira, para saírem.

"Ocasionalmente, uma exceção pode ser feita, mas a norma é que os embaixadores políticos partam, dando espaço para que a nova administração nomeie os seus embaixadores. O embaixador Sherman partirá de Lisboa a 20 de janeiro de 2017", disse a mesma fonte, acrescentando que o representante diplomático tem várias iniciativas previstas até à data de partida, como uma deslocação ao Porto e a participação num almoço promovido pela Associação de Amizade Portugal - EUA, em conjunto com a Câmara de Comércio Americana em Portugal e o American Club.

Advogado de formação e de carreira, Robert Sherman foi nomeado pelo Presidente norte-americano, Barack Obama, como embaixador dos Estados Unidos em Lisboa em julho de 2013.

Um ano depois, e após a sua nomeação ser aprovada pela comissão de Negócios Estrangeiros do Senado norte-americano (câmara alta do Congresso norte-americano), Robert Sherman apresentou credenciais, em finais de maio de 2014, ao então Presidente Cavaco Silva.

Tal como os seus antecessores em Lisboa nas últimas duas décadas, Robert A. Sherman é um embaixador político e não um diplomata de carreira.

Licenciado em Direito pela Universidade de Boston, Sherman foi um dos fundadores do escritório de advogados Greenberg Traurig (em Boston), onde exerceu desde 1999, e foi procurador-geral adjunto do estado do Massachussets entre 1991 e 1993.

Em janeiro de 2013, o advogado integrou o Conselho do Memorial do Holocausto, organismo que dirige o museu Memorial do Holocausto.

A sua primeira deslocação em Portugal, após ter apresentado credenciais, foi aos Açores, nomeadamente à base militar das Lajes, na ilha Terceira.

Em janeiro de 2015, Robert Sherman anunciou em Lisboa a decisão de Washington de reduzir gradualmente os trabalhadores portugueses e os civis e militares norte-americanos da base das Lajes.

Recentemente, em novembro passado, o embaixador disse que a base das Lajes "continua estratégica" para os EUA e que aquele país não quer deixar a infraestrutura, mas salientou que as "necessidades militares" vão ser decisivas.

Durante o Campeonato Europeu de Futebol de 2016 (Euro 2016), o embaixador norte-americano ganhou notoriedade junto da opinião pública portuguesa, ao ter divulgado vários vídeos de apoio à seleção nacional.

Dois dias depois da eleição do candidato republicano Donald Trump, o embaixador Robert Sherman afirmou que a relação entre Portugal e os Estados Unidos iria "não só manter-se, mas também fortalecer-se", defendendo na mesma altura, sobre o Presidente eleito, que era preciso "uma mente aberta".

"A relação entre os Estados Unidos e Portugal vai não só manter-se forte, como vai fortalecer-se. Portugal está a aumentar a presença no mundo, no espaço da inovação, e o maior exemplo é a Web Summit, mas também a eleição de Guterres para secretário-geral da ONU, e portanto a relação com os EUA vai ser ainda mais forte ", considerou então Sherman, num encontro com jornalistas em Lisboa.

Lusa

  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Violência volta às favelas do Rio de Janeiro
    3:21

    Mundo

    As favelas do Rio de Janeiro voltaram aos níveis de violência dos anos 90. A cidade de Deus foi uma das favelas pacificadas que voltou a registar tiroteios diariamente, os moradores falam de situações de trauma e do medo das crianças.

  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Cão corre os EUA a entregar águas aos árbitros em jogos de basebol
    0:20