sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 93 jornalistas foram mortos em 2016

© Goran Tomasevic / Reuters

Pelo menos 93 jornalistas ou profissionais de órgãos de comunicação social foram mortos em ataques direcionados, bombas ou fogo cruzado, durante o exercício da profissão em 2016, divulgou esta sexta-feira a Federação Internacional de Jornalistas (FIJ).

O relatório da organização também destacou a morte de 29 jornalistas em dois acidentes aéreos.

A FIJ referiu igualmente que o número de jornalistas mortos em 2016 foi inferior ao verificado no ano passado (112).

O Iraque continua a ser o país com mais mortes de jornalistas, 15, seguido do Afeganistão (13) e do México (11).

Apesar do ligeiro decréscimo da violência e dos ataques mortais contra jornalistas, o presidente da FIJ, Philippe Leruth, disse que as estatísticas "dão pouco espaço para confronto ou para esperança de ver o fim da atual crise de segurança dos meios de comunicação".

Em dois recentes acidentes aéreos, 20 jornalistas brasileiros morreram na Colômbia e nove profissionais de 'media' russos perderam a vida quando um avião militar se despenhou no Mar Negro.

Lusa

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • Fim de semana de muito frio e vento forte
    2:08

    País

    Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera, vem aí mais frio e as temperaturas mínimas negativas vão regressar a alguns pontos do país. Prevê-se também vento intenso para as próximas 48 horas.

  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC