sicnot

Perfil

Mundo

Rússia vai expulsar 35 diplomatas norte-americanos

Em desenvolvimento

Embaixada dos Estados Unidos em Moscovo.

YURI KOCHETKOV/ EPA

O ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Sergei Lavrov, anunciou hoje a expulsão de 35 diplomatas norte-americanos, em resposta às sanções de Washington.

O Presidente norte-americano anunciou esta quinta-feira sanções contra a Rússia após a sua ingerência nas eleições presidenciais dos EUA, como a expulsão de 35 agentes dos serviços secretos e o encerramento de delegações russas no seu território.

Sergei Lavrov esclareceu hoje que a ordem de expulsão dos diplomatas dos EUA foi indicada ao Presidente Vladimir Putin.

A Rússia nega as acusações da Administração de Barack Obama e considera as sanções norte-americanas "infundadas".

"Ordenei uma série de medidas em resposta ao agressivo ataque do Governo russo contra autoridades norte-americanas e a operações informáticas para interferir nas eleições nos Estados Unidos", disse Barack Obama, em comunicado.

O Presidente eleito dos EUA, Donald Trump, que vai assumir o poder a 20 de janeiro, reagiu de imediato às sanções anunciadas por Obama, que acusa o Governo russo de intervir nas eleições presidenciais norte-americanas com ataques informáticos destinados a prejudicar a candidata democrata, Hillary Clinton.

"Está na altura do nosso país avançar para coisas maiores e melhores. No entanto, no interesse do nosso país e da sua boa gente, vou reunir-me com os líderes dos serviços de informação na próxima semana para que me atualizem sobre a situação", afirmou em comunicado, Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.