sicnot

Perfil

Mundo

ONU vota resolução da Rússia sobre cessar-fogo na Síria

© Andrew Kelly / Reuters

O Conselho de Segurança das Nações Unidas vota hoje uma resolução da Rússia que apoia o acordo de cessar-fogo na Síria e um roteiro de paz que prevê um Governo de transição, noticia a agência Associated Press.

O texto proposto pela Rússia apela também ao acesso "rápido, seguro e livre" da ajuda humanitária a todo o território sírio.

Por outro lado, manifesta esperança que a reunião no final de janeiro entre o Governo e a oposição da Síria na capital do Cazaquistão, Astana, seja "uma parte importante do processo político" liderado pelos sírios e "facilitado pelas Nações Unidas".

A Rússia e a Turquia apoiam fações diferentes no conflito sírio e mediaram um acordo de cessar-fogo entre forças rebeldes e pró-governamentais que foi anunciado esta semana e entrou em vigor na sexta-feira.

Os dois países fizeram circular uma proposta de resolução entre os membros do Conselho de Segurança da ONU na quinta-feira à noite, segundo a agência de notícias AP.

Depois de algumas discussões, na sexta-feira, o embaixador russo nas Nações Unidas, Vitaly Churkin, enviou um texto final e pediu para ser votado hoje, apelando ao apoio dos membros do Conselho de Segurança, escreve ainda a AP.

O cessar-fogo está a ser respeitado em 90% das zonas incluídas na trégua, segundo o diretor do Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH), Rami Abdelrahman, em declarações à agência noticiosa espanhola EFE.

Segundo Rami Abdelrahman, cerca de 20 horas depois do início do cessar-fogo, que começou às 00:00 locais de sexta-feira (22:00 de quinta-feira em Lisboa), a calma prevalecia na maioria das zonas em que existem forças da oposição armadas.

O OSDH registou violações do cessar-fogo por parte dos rebeldes na província de Deraa (região sul da Síria). Em relação às forças leais ao regime sírio, a organização não-governamental (ONG) indicou que foram verificadas violações da trégua nas províncias de Damasco, Hama e Idleb.

As autoridades sírias não se pronunciaram sobre estes ataques, nem denunciaram, até ao momento, qualquer incumprimento do acordo de cessar-fogo por parte das fações rebeldes.

O cessar-fogo acordado na Síria tem como objetivo preparar o caminho para a nova ronda de negociações de paz prevista para finais de janeiro em Astana.

Lusa

  • Seleção de sub-21 precisa de vencer a Macedónia

    Desporto

    A seleção portuguesa de futebol de sub-21 precisa, hoje, de vencer a Macedónia e de marcar pelo menos quatro golos para poder sonhar ainda com a presença nas meias-finais do Europeu da categoria, que decorre na Polónia.

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Trump volta a garantir que não tentou interferir na investigação do FBI
    0:17

    Mundo

    O Presidente dos EUA reitera que não tentou interferir na investigação do FBI em relação às alegadas interferências da Rússia nas eleições presidenciais. Questionado sobre as gravações das conversas que manteve com o ex-diretor da polícia de investigação, James Comey, Donald Trump prometeu esclarecimentos num futuro breve.

  • "A informação pode ter saído depois da hora do exame de Português"
    1:19

    País

    O presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais diz que é preciso aguardar pelas conclusões do relatório sobre a alegada fuga de informação do exame nacional de Português. Jorge Ascensão defende que a investigação deve causar o mínimo de impacto aos alunos que realizaram a prova.