sicnot

Perfil

Mundo

Papa pede maior inclusão dos jovens para que tenham futuro digno

© Alessandro Bianchi / Reuters

O Papa fez este sábado o balanço de 2016 numa cerimónia em que pediu que se incentive uma maior inclusão dos jovens para construir um futuro digno e se abandone a lógica do privilégio a favor da do encontro.

"Se queremos um futuro que seja digno para eles (os jovens), podemos consegui-lo apostando numa verdadeira inclusão: a que é dada pelo trabalho digno, livre, criativo, participativo e solidário", disse Francisco.

O Papa falava durante a celebração das primeiras vésperas da Solenidade de Maria, uma cerimónia solene que decorreu na basílica de São Pedro e na qual se entoou o "Te Deum" de ação de graças pelo ano que termina.

Durante a homilia, Francisco assinalou que as sociedades atuais estão "em dívida" para com os jovens e apelou a que se favoreça a sua inclusão.

Segundo o Papa, as sociedades "criaram uma cultura que, por um lado, idolatra a juventude querendo fazê-la eterna", mas ao mesmo tempo condena os jovens "a não terem um espaço de inserção real".

"Lentamente, temos vindo a marginalizá-los da vida pública, obrigando-os a emigrar ou a mendigar por empregos que não existem ou não lhes permitem projetar-se num amanhã", lamentou.

"Temos privilegiado a especulação em lugar de empregos dignos e genuínos que lhes permitam ser protagonistas ativos na vida da nossa sociedade. Esperamos e exigimos-lhes que sejam fermento do futuro, mas discriminamo-los e 'condenamo-los' a bater a portas que na sua grande maioria estão fechadas", adiantou.

Francisco pediu ainda que se rejeite a lógica centrada "no privilégio, nas concessões" e "no amiguismo", defendendo uma "lógica do encontro, da proximidade".

O Papa agradeceu "todos os sinais de generosidade divina" e observou que o tempo que está a chegar "exige iniciativas ousadas e promissoras, bem como a renúncia a protagonismos vazios ou a lutas intermináveis para aparecer".

Lusa

  • Marcar cedo e resistir (ou como Portugal venceu Marrocos)

    Mundial 2018 / Portugal

    A seleção nacional alcançou hoje a primeira vitória no Mundial 2018, frente a Marrocos, em Moscovo. Cristiano Ronaldo (outra vez) marcou logo aos quatro minutos. Depois, Portugal pouco mais fez senão aguentar as investidas dos marroquinos, que ficam desde já afastados dos oitavos de final.

  • Fernando Santos dá um puxão de orelhas à equipa
    1:57
  • E vão quatro de Ronaldo
    1:58
  • Ronaldo, o motivador
    3:23
  • Os "memes" do desempenho de Cristiano Ronaldo frente a Marrocos
    1:25
  • Cristiano Ronaldo: o melhor do jogo, o melhor do Mundial, o melhor do mundo

    Mundial 2018 / Portugal

    Apesar da prestação de Rui Patrício na defesa da baliza lusa, Cristiano Ronaldo foi eleito o homem do jogo, pela segunda vez consecutiva, depois de marcar o golo que deu a vitória a Portugal frente a Marrocos. O capitão português ofereceu à equipa os três pontos essenciais para a eventual passagem aos oitavos de final. Mas Ronaldo não fica por aqui. Contas feitas, CR7 é o melhor marcador do Mundial (4 golos em 2 jogos) e já marcou 85 golos por Portugal, feito nunca antes alcançado nem por Eusébio nem por Pauleta. No auge dos 33 anos, há quem diga que Ronaldo "é como o vinho do Porto". Será que ainda vai chegar à marca dos 100? Parece que, para o CR7, nada é impossível.

  • Parecia que Rui Patrício tinha cola nas luvas
    5:40
  • Os momentos descontraídos dos jogadores que estão no Mundial
    1:54
  • Selecionador de Marrocos queixa-se da arbitragem
    1:41
  • Georgina Rodriguez assistiu ao jogo de Portugal e acenou a Ronaldo
    1:05
  • Schulz responde a Trump: "é um especialista em estatísticas criminais"

    Mundo

    "Donald Trump é um especialista em estatísticas criminais: pagamentos a estrelas porno, contactos ilegais com russos e diretores de campanha presos". Foi assim que o deputado alemão Martin Schulz respondeu ao Presidente norte-americano, depois de este ter afirmado várias vezes que a criminalidade na Alemanha aumentou devido à imigração.

    SIC

  • "Vou pedir a alguém que dê esta notícia por mim". Jornalista emociona-se com o caso dos bebés mexicanos separados das famílias
    0:49