sicnot

Perfil

Mundo

Putin pede aos russos para acreditarem no país e se manterem unidos em 2017

© Sputnik Photo Agency / Reuter

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, pediu este sábado aos russos, na sua mensagem de Ano Novo, para acreditarem no seu país e se manterem unidos, considerando que o ano de 2016 tinha sido difícil.

O ano que termina foi "difícil", declarou, adiantando, no entanto, que as dificuldades permitiram que os russos se unissem.

"O principal é crermos em nós próprios, nas nossas capacidades, no nosso país. Trabalhamos com sucesso e conseguimos muito", disse ainda, saudando em particular os que se encontram longe de casa, como os soldados russos destacados na Síria.

"Temos um país imenso, único e magnífico", declarou Putin, adiantando esperar que o novo ano traga "a paz, a estabilidade e a prosperidade".

Os votos de bom ano do presidente russo são normalmente divulgados à meia-noite, mas a mensagem já está disponível no extremo oriente.

O ano de 2016 consagrou o regresso em força da Rússia aos assuntos internacionais.

Moscovo obteve sucesso no Síria, onde ajudou o seu aliado Bashar al-Assad a recuperar a segunda cidade, Alepo, aos rebeldes, tendo patrocinado com a Turquia um cessar-fogo e futuras negociações de paz.

Por outro lado, com a vitória nas presidenciais norte-americanas de Donald Trump, a influência russa nos Estados Unidos parece nunca ter sido tão forte desde a queda da União Soviética há 25 anos.

Lusa

  • Português de 15 anos morre em estância de esqui em Espanha

    País

    Um jovem português morreu esta quarta-feira numa estância de esqui, em Espanha. O rapaz de 15 anos queixou-se de dores de cabeça e foi transportado para a Unidade de Cuidados de Saúde da Estância de Esqui, onde acabou por morrer.

    Em desenvolvimento

  • Europa num clima de tensão parecido ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra Mundial
    2:18

    Mundo

    O populismo e a demonização do outro estão a conduzir a Europa a um clima de tensão semelhante ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra mundial. A conclusão é do relatório anual da Amnistia internacional, que denuncia ainda que 2016 foi um ano de "implacável miséria e medo" para milhões de pessoas. Embalados pelo discurso do medo, vários governos recuaram nos direitos humanos.