sicnot

Perfil

Mundo

Cantora britânica só canta na tomada de posse de Trump sob condição

A cantora pop britânica Rebecca Ferguson, convidada para cantar na tomada de posse de Donald Trump, garante que só aceita o convite sob uma condição: se puder cantar a música "Strange Fruit", um tema de protesto contra o racismo nos Estados Unidos, celebrizado por Billie Holiday nos anos 30.

"Fui convidada e esta é a minha resposta: se me autorizarem a cantar "starsnge Fruit", uma música com uma enorme importância histórica, que esteve na lista negra nos Estados Unidos por ser demasiado controversa. Uma música que fala a todos os negros esquecidos e oprimidos dos Estados Unidos. Uma música que relembra como o amor é a única coisa que conquista todo o ódio deste mundo, então eu aceitarei o vosso convite e ver-nos-emos em Washington", escreveu Rebecca na sua conta do Twitter.

Rebecca Ferguson foi concorrente do programa X Factor do Reino Unido, em 2010.

A letra de "Strange Fruit" foi escrita nos anos 30 pelo comunista judeu Abel Meeropol, e composta como um poema de protesto contra o racismo endémico nos Estados sulistas americanos.

Quem já se recusou a atuar para Trump?

A apenas algumas semanas da tomada de posse, o comité de Trump anunciou três "atos": os Radio Cuty Rockettes, o Coro Mormon Tabernacle e a estrela de 16 anos de "America's Got Talent" Jackie Evancho. No entanto, um dos membros do Coro Mormon Tabernacle desistiu, dizendo que atuar para Trump seria uma traição aos seus próprios valores. Eis a lista de todos os artistas que já se recusaram a atuar para Trump:

1. Celine Dion

2. Elton John

3. Justin Timberlake e Bruno Mars

4. Katy Perry

5. David Foster

6. Ice T

7. Dixie Chicks

8. Kiss

9. Adam Lambert

10. Rebecca Ferguson

  • "É preciso despartidarizar o sistema de Proteção Civil", diz Duarte Caldeira
    2:47
  • Homem morreu ao tentar salvar animais das chamas
    2:30
  • Arcebispo de Braga pede responsabilidades pelos incêndios
    1:40

    País

    Braga também sofreu um dos mais violentos incêndios dos últimos anos. O fogo descontrolado atravessou várias freguesias e destruiu duas empresas. A igreja, pela voz do arcebispo de Braga, pede ação e o apuramento de responsabilidades, face a esta calamidade.

  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06