sicnot

Perfil

Mundo

Israel condena funcionário da ONU a sete meses de prisão por ajudar o Hamas

© Baz Ratner / Reuters

Um tribunal de Israel condenou esta quarta-feira um funcionário palestiniano da ONU a sete meses de prisão por ter ajudado o movimento radical islâmico Hamas, que governa a Faixa de Gaza, informou o seu advogado.

A detenção, em julho, de Wahid Borsh, um engenheiro que trabalha para o Programa da ONU para o Desenvolvimento (PNUD), suscitou polémica e levou as Nações Unidas a manifestar a sua preocupação e a anunciar um inquérito interno.

Esta quarta-feira, um tribunal israelita considerou Borsh, 38 anos, culpado de ter "involuntariamente prestado serviços a uma organização ilegal", o Hamas, que Israel considera uma "organização terrorista", segundo a sua advogada, Leah Tsemel.

Contando o tempo que já cumpriu, Borsh deve ser libertado a 12 de janeiro.

A sentença baseou-se num acordo, confirmado pelo Ministério da Justiça israelita, o qual prevê um período de liberdade condicional de oito meses.

Borsh, engenheiro a trabalhar com o PNUD desde 2003 na demolição de edifícios destruídos nos sucessivos conflitos na Faixa de Gaza, foi acusado "de ter usado o cargo para fornecer assistência material às atividades terroristas e militares do Hamas".

Em 2015, segundo Israel, Borsh participou na construção, com recursos do PNUD, de um molhe para as atividades navais do Hamas, intervindo junto do PNUD para que fosse dada prioridade, nos projetos de reabilitação, a zonas habitadas por membros do Hamas.

A advogada frisou no entanto hoje que o cliente foi condenado por "ajudar involuntariamente" os islamitas "movimentando escombros".

"A acusação argumentou que (Borsch) devia ter verificado se isto podia beneficiar o Hamas", disse Tsemel.

Lusa

  • Israel responde às críticas de John Kerry
    1:29

    Mundo

    Não tardou a resposta de Israel ao chefe da diplomacia dos Estados Unidos. O Governo de Telavive considera que não têm razão de ser as críticas de John Kerry, que avisou que a construção de mais colonatos impede uma solução, e que a origem do problema não são os colonatos mas a oposição palestiniana a um Estado judaico. Indiferente à resolução da ONU e às críticas do chefe da diplomacia dos Estados Unidos, Israel aprovou a construção de mais um colonato em Jerusalém oriental.

  • As mulheres na clandestinidade durante o Estado Novo
    7:32

    País

    Não se sabe quantas mulheres portuguesas viveram na clandestinidade durante o Estado Novo, mas estiveram sempre lado a lado com os homens que trabalhavam para o Partido Comunista na luta contra a ditadura. Aceitavam serem separadas dos filhos e mudarem de identidade várias vezes ao longo dos anos. A história de algumas destas mulheres estão agora reunidas num livro que acaba de ser lançado.