sicnot

Perfil

Mundo

Ataques em Bagdade e arredores fazem 27 mortos

© Wissm Al-Okili / Reuters

Vários atentados em Bagdade e na sua periferia, incluindo a explosão de um veículo armadilhado numa movimentada zona comercial esta quinta-feira à noite, fizeram pelo menos 27 mortos, num dia particularmente violento na capital do Iraque.

O bombista suicida detonou os explosivos no veículo, atingindo lojas e bancas de comida perto de uma estação de autocarros na zona de Bab al-Muadam, matando 11 pessoas e ferindo pelo menos outras 22, indicou um polícia.

Horas antes, a explosão de bombas na cidade e à volta dela fizeram pelo menos 16 mortos e feriram dezenas, anunciaram as autoridades.

Um responsável médico confirmou o número de vítimas mortais. Todas as entidades oficiais pediram o anonimato por não estarem autorizadas a divulgar informação.

Nenhum dos atentados foi, até agora, reivindicado, mas todos ostentam a imagem de marca do Daesh, que tem perpetrado uma série de atentados bombistas em Bagdad na última semana, matando quase 100 pessoas.

Antes deste atentado, uma viatura armadilhada avançou sobre um mercado da capital iraquiana, fazendo nove mortos, ao passo que outros quatro ataques - a maioria dos quais com bombas que explodiram em zonas comerciais ou tinham como alvo as forças de segurança - mataram pelo menos sete pessoas.

No atentado ao mercado de Bagdade, o carro-bomba estava estacionado junto a bancas exteriores de frutas e legumes, num bairro maioritariamente xiita. Entre as vítimas, contam-se dois agentes da polícia.

Os extremistas sunitas atacam frequentemente as forças de segurança e civis em bairros xiitas.

O Daesh tem conseguido levar a cabo uma série de atentados em todo o Iraque enquanto também oferece forte resistência na cidade setentrional de Mossul, onde as forças iraquianas apoiadas pelos Estados Unidos efetuam uma grande ofensiva desde meados de outubro para reconquistar a cidade, a segunda maior do país, aos jihadistas.

Mossul, a cerca de 360 quilómetros a noroeste de Bagdade, é o último grande bastião urbano dos extremistas no país. As forças iraquianas retomaram o controlo de cerca de um quarto da cidade desde o início da ofensiva.

O Iraque anunciou hoje uma nova operação para recuperar cidades mais pequenas junto à fronteira com a Síria, que ainda se encontram nas mãos do Daesh.

O major general Qassim al-Mohammadi indicou que os militares vão tentar expulsar o EI de Rawah, Anah e Qaim, cidades situadas na província ocidental de Anbar, que caíram nas mãos dos jihadistas no verão de 2014.

Forças iraquianas apoiadas pelos Estados Unidos expulsaram no ano passado o Daesh de duas grandes cidades da província de Anbar: Ramadi e Fallujah.

Lusa

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.