sicnot

Perfil

Mundo

Equipa de Trump desmente reforma da comunidade de serviços secretos

© Lucas Jackson / Reuters

A equipa de transição do presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, desmentiu hoje que Trump pretenda restruturar os serviços de informações do país, como noticiou na quarta-feira o The Wall Street Journal.

O diário avançou, citando fontes conhecedoras do dossiê, que Trump quer restruturar a Agência Central de Informações (CIA, na sigla em inglês) e reduzir o número de pessoas que trabalham na sede e, ao mesmo tempo, reforçar os efetivos no terreno que estão distribuídos em várias áreas geográficas.

Segundo o The Wall Street Journal, o Presidente eleito acredita que a Direção Nacional de Informações, que coordena e supervisiona todas as ações militares e civis dos serviços de informações e de espionagem norte-americanos, tem recursos a mais e está politizada.

No contacto telefónico diário com os jornalistas, o porta-voz da equipa de transição presidencial, Sean Spicer, afirmou que esta informação é "cem por cento falsa".

"Todas as atividades da equipa de transição têm o objetivo de reunir informação e todas as discussões são provisórias", acrescentou o porta-voz, que será o secretário de imprensa da Casa Branca quando Donald Trump assumir a Presidência norte-americana, a 20 de janeiro.

Segundo Sean Spicer, a prioridade de Trump será "garantir a segurança" da nação e, para isso, está determinado em "encontrar a melhor forma e a mais eficaz" de concretizar esse objetivo.

"Não é verdade essa ideia de uma reestruturação das infraestruturas dos serviços de informações", insistiu Spicer.

Em diferentes mensagens na rede social Twitter, Donald Trump tem manifestado o seu ceticismo em relação ao trabalho desenvolvido pelos serviços de informações dos Estados Unidos, trabalho esse que levou à conclusão de que a Rússia e o seu Presidente, Vladimir Putin, estariam por trás de uma ação de ciberespionagem durante a campanha eleitoral das presidenciais americanas de novembro passado.

Trump vai receber um relatório sobre este dossiê na sexta-feira de manhã em Nova Iorque, durante uma reunião que vai contar com a presença de responsáveis da CIA, FBI (polícia federal) e da Direção Nacional de Informações da administração do ainda Presidente Barack Obama.

Donald Trump escolheu Mike Pompeo para liderar a CIA, mas ainda não anunciou o responsável para a Direção Nacional de Informações, estrutura que tem sob a sua alçada as 17 agências de serviços de informações norte-americanas.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    1:16

    Perdidos e Achados

    Ao final do dia 29 de Junho de 1975, 89 agentes da PIDE fugiam da cadeia de Vale de Judeus, em Alcoentre. Mais de 40 anos depois, Perdidos e Achados recupera um dos acontecimentos do Verão Quente em Portugal. Hoje no Jornal da Noite e conteúdos exclusivos no site.

    Hoje no Jornal da Noite

  • "O FC Porto não merece ser campeão"
    2:23
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    O empate do FC Porto com o Feirense foi o principal assunto do Play-Off da SIC Notícias, este domingo. Rodolfo Reis mostrou-se insatisfeito com a atitude dos jogadores do FC Porto.

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa

  • Casa Madonna di Fatima em Roma é um lar de idosos com 9 irmãs portuguesas
    4:29

    Mundo

    A mais antiga igreja dedicada à Senhora de Fátima em Roma tem mais de 50 anos. Foi construída pelas franciscanas hospitaleiras do Imaculado Coração, uma congregação fundada em Portugal. Hoje, as religiosas portuguesas gerem um lar na mesma rua, mas o templo foi entregue a uma congregação italiana.

  • Défice recua em 2016 na zona euro e na UE

    Economia

    O défice e a dívida baixaram na zona euro e na União Europeia (UE) em 2016 face a 2015, tendo Portugal registado a terceira maior dívida (130,4%) entre os Estados-membros e um défice de 2%, segundo o Eurostat.