sicnot

Perfil

Mundo

Filho preferido de bin Laden na lista dos terroristas, EUA oferecem recompensa de 5 milhões de dólares

Osama Bin Laden (Arquivo)

© STR New / Reuters

Os Estados Unidos incluíram hoje na lista negra de "terroristas internacionais" o filho preferido de Osama bin Laden, Hamza Bin Laden. Esta decisão desencadeia automaticamente sanções jurídicas e financeiras contra o visado e impede cidadãos norte-americanos de fazer negócios com a pessoa ou organização.

Os serviços secretos norte-americanos têm afirmado que Hamza era o filho favorito do autor moral dos atentados de 11 de setembro, que estava a treiná-lo para lhe suceder como líder da Al-Qaeda.

Em agosto de 2015, a Al-Qaeda anunciou que Hamza, na altura com 22 anos, passava a fazer oficialmente parte da organização terrorista. A diplomacia norte-americana afirma que o jovem apelou a "ataques contra interesses norte-americanos, franceses e israelitas em Washington, Paris e Telavive.

Em setembro de 2016, Hamza aparece a incitar à jihad e a apelar à união das "tribos da Arábia Saudita a aliar-se à Al-Qaeda do Iémen para conduzir uma guerra contra o reino saudita".

Hamsa bin Laden fica sujeito a sanções que o impedem de realizar quaisquer transações com indivíduos nos Estados Unidos, o património que eventualmente tenha no país fica bloqueado, indicou o Departamento de Estado em comunicado, citado por agências internacionais.

Os Estados Unidos oferecem uma recompensa de 5 milhões de dólares contra a entrega de Hamsa bin Laden, hoje com 23 anos.

O filho de bin laden, Hamza bin Laden (esq.), em 2001.

O filho de bin laden, Hamza bin Laden (esq.), em 2001.

AP

  • Atentado "falhado" em Nova Iorque
    1:43

    Mundo

    Uma explosão numa das zonas mais movimentadas de Manhattan fez quatro feridos, esta segunda-feira. Entre eles está o homem que transportava o engenho e que foi entretanto detido.

  • 10 Minutos com Leonor Beleza
    10:27

    10 Minutos

    A nossa convidada desta segunda-feira ainda é conhecida por ter sido ministra da Saúde e pelo seu trabalho à frente da Fundação Champalimaud. Mas desta vez vamos falar com Leonor Beleza sobre os 40 anos da revisão do Código Civil, em que esteve envolvida.

    Entrevista completa