sicnot

Perfil

Mundo

Kosovo exige que França liberte antigo primeiro-ministro

© Hazir Reka / Reuters

O Governo do Kosovo exigiu esta quarta-feira a imediata libertação do antigo primeiro-ministro kosovar Ramush Haradinaj, detido pela polícia francesa por acusações de ter cometido alegados crimes de guerra, apresentadas em 2004 pela Sérvia.

Em comunicado, citado pela agência noticiosa Efe, o Governo do Kosovo salientou que "enviou uma carta ao Ministério da Justiça de França para exigir a libertação imediata de Ramush Haradinaj".

Ramush Haradinaj, antigo líder guerrilheiro e ex-primeiro-ministro do Kosovo, foi detido hoje pela polícia francesa no aeroporto de Basilea-Mulhouse, situado no lado francês da tripla fronteira com a Suíça, França e Alemanha.

A justiça da Sérvia suspeita que Ramush Haradinaj cometeu crimes de guerra contra civis sérvios durante o conflito no Kosovo (1998-1999).

O partido liderado por Ramush Haradinaj, a Aliança para o Futuro do Kosovo, acusou o Governo do Kosovo de ser responsável pela detenção.

"A detenção de Ramush Haradinaj em França ocorreu devido a uma acusação da Sérvia em 2004, o que é o produto final das negociações entre os governos do Kosovo e da Sérvia", acusou o partido na sua página na rede social Facebook.

O Kosovo, uma antiga província sérvia povoada por uma maioria de albaneses, declarou em fevereiro de 2008 a independência, mas a Sérvia não o reconheceu ainda como país.

Lusa

  • Mais de 1600 ações de fiscalizações a IPSS em dois anos
    1:05

    Expresso da Meia Noite

    Nos últimos dois anos, o Estado efetuou mais de 1600 ações de fiscalização a Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) das quais resultaram mais de 70 destituições e 80 participações ao Ministério Público (MP). Os números foram avançados pela secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, no programa Expresso da Meia-noite, na SIC Notícias.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33