sicnot

Perfil

Mundo

Kosovo exige que França liberte antigo primeiro-ministro

© Hazir Reka / Reuters

O Governo do Kosovo exigiu esta quarta-feira a imediata libertação do antigo primeiro-ministro kosovar Ramush Haradinaj, detido pela polícia francesa por acusações de ter cometido alegados crimes de guerra, apresentadas em 2004 pela Sérvia.

Em comunicado, citado pela agência noticiosa Efe, o Governo do Kosovo salientou que "enviou uma carta ao Ministério da Justiça de França para exigir a libertação imediata de Ramush Haradinaj".

Ramush Haradinaj, antigo líder guerrilheiro e ex-primeiro-ministro do Kosovo, foi detido hoje pela polícia francesa no aeroporto de Basilea-Mulhouse, situado no lado francês da tripla fronteira com a Suíça, França e Alemanha.

A justiça da Sérvia suspeita que Ramush Haradinaj cometeu crimes de guerra contra civis sérvios durante o conflito no Kosovo (1998-1999).

O partido liderado por Ramush Haradinaj, a Aliança para o Futuro do Kosovo, acusou o Governo do Kosovo de ser responsável pela detenção.

"A detenção de Ramush Haradinaj em França ocorreu devido a uma acusação da Sérvia em 2004, o que é o produto final das negociações entre os governos do Kosovo e da Sérvia", acusou o partido na sua página na rede social Facebook.

O Kosovo, uma antiga província sérvia povoada por uma maioria de albaneses, declarou em fevereiro de 2008 a independência, mas a Sérvia não o reconheceu ainda como país.

Lusa

  • Eis os novos heróis de Vila de Aves
    3:03
  • Desportivo das Aves fora da Liga Europa

    Desporto

    O Desportivo das Aves não vai à Liga Europa e o Sporting terá entrada direta na fase de grupos. Apesar da conquista da Taça de Portugal, a equipa avense não se licenciou em tempo útil para poder participar na prova da UEFA, apurou a SIC.

  • E agora, Sporting? Semana de decisões e incertezas
    2:53
  • "Para primeiro dia de pesca da sardinha, não foi mau"
    2:19
  • "Desfiliei-me do PS mas continuo socialista"
    1:29

    País

    José Sócrates garantiu este domingo que não atacará o PS e que continua a ser socialista. O antigo primeiro-ministro participou num almoço de apoio, em Lisboa, com cerca de 100 pessoas, a maioria anónimos.