sicnot

Perfil

Mundo

Um dos líderes da revolução de 2011 no Egito foi libertado

© Stringer . / Reuters

O ativista político egípcio Ahmed Maher, um dos líderes da revolução de 2011, foi libertado na quarta-feira à noite depois de ter cumprido três anos de prisão, informaram uma fonte da segurança e o seu advogado.

Ahmed Maher, 36 anos, foi o fundador e porta-voz do Movimento 6 de Abril, um dos grupos de jovens mais ativos durante a revolta de 2011 que derrubou Hosni Mubarak.

O ativista "foi libertado na quarta-feira à noite após ter terminado a sua pena de prisão", disse à agência France Presse uma fonte da segurança.

Segundo o seu advogado Anas Sayed, Maher "ficará sob vigilância durante três anos, no âmbito da sua sentença". Não será autorizado a deixar o país.

Maher foi detido com outros ativistas em novembro de 2013 durante uma manifestação no Cairo para protestar contra uma nova lei proibindo qualquer concentração pública que não fosse autorizada previamente pelo Ministério do Interior.

O texto foi considerado pelas organizações internacionais de defesa dos direitos humanos como um dos mais atentatórios das liberdades políticas aprovados pela administração de Abdel Fattah al-Sisi.

A condenação de Maher, assim como de outros ativistas, figuras de proa da revolução como Mohamed Adel e Ahmed Douma, foram confirmadas em recurso e por tribunais superiores. Estes dois últimos continuam presos.

Depois das forças armadas terem destituído o presidente islamita Mohamed Morsi, em julho de 2013, a administração de Al-Sisi, o novo chefe de Estado e ex-chefe das forças armadas, lançou uma campanha de repressão contra toda a oposição, que visou inicialmente os islamitas e depois a oposição laica e liberal, nomeadamente a juventude revolucionária de 2011.

Lusa

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.