sicnot

Perfil

Mundo

Congresso dos EUA avança dinheiro para a construção do Grande Muro, garante Trump

© Mike Segar / Reuters

O Presidente eleito dos EUA afirmou hoje que o Congresso vai avançar com o dinheiro para a construção do muro anti-imigração na fronteira com o México para que a promessa eleitoral seja concretizada o mais rapidamente possível.

"Os media desonestos não dizem que o dinheiro que vai ser gasto na construção do Grande Muro (para ser rápido) será mais tarde reembolsado pelo México", diz Trump no Twitter.

A cadeia de televisão CNN avançava ontem que a equipa de transição de Trump tinha pedido aos responsáveis republicanos para financiarem o muro com dinheiros públicos já em abril.

A promessa de Trump de construir um "enorme, poderoso e belo muro" na fronteira sul dos Estados Unidos - com três mil quilómetros de comprimento - era constantemente citada nos seus comícios. Cada vez que Trump lançava a pergunta: "Quem vai pagar", a multidão entusiasta respondia sempre: "O México!".

O custo total do projeto não está determinado mas deverá ascender a vários mil milhões de dólares.

Para que a construção comece depressa, os responsáveis republicanos - das duas câmaras do Congresso e a equipa de transição de Trump - vão apoiar-se numa lei promulgada em 2006 pelo Presidente George W. Bush que autoriza a construção "de uma barreira física" na fronteira com o México.

Nunca posta em prática, esta legislação não prevê limite de tempo pelo que pode servir de base legal, com a condição de um posterior reembolso.

Os republicanos estão convictos de que a margem de manobra dos democratas em contrariar este assunto é muito limitada, dado que conta com a adesão de uma grande parte da população e o bloqueio no Congresso poderia dar origem a uma paralisia do Governo, com grandes custos políticos para os democratas.

Presidente do México diz que não paga

A 22 de outubro, durante a campanha eleitoral, Trump avisou que as autoridades mexicanas iriam ressarcir os Estados Unidos pelos custos envolvidos na construção do muro fronteiriço.

"Disse que o México pagaria o muro, no entendimento de que o país iria reembolsar os Estados Unidos pelo custo total desse muro", disse então o magnata do imobiliário, uma posição que reiterou hoje.

Antes, Trump tinha afirmado que seria o México a pagar diretamente a construção do muro.

Em agosto, em plena campanha eleitoral, o Presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, convidou os dois candidatos presidenciais norte-americanos, Donald Trump e a democrata Hillary Clinton, a visitarem o país.

Trump aceitou o convite e, nessa altura, garantiu que não discutiu com Peña Nieto qualquer questão sobre quem iria pagar o quê.

"Não discutimos o pagamento do muro, isso fica para uma data mais à frente", garantiu então.

Peña Nieto, por sua vez, escreveu na mesma altura no Twitter: "No início da conversa com Donald Trump, deixei claro que o México não vai pagar pelo muro".

As autoridades mexicanas já afirmaram por diversas ocasiões que não têm qualquer intenção de pagar um cêntimo que seja.

O congressista republicano Chris Collins afirmou hoje que Trump "tem todas as cartas que necessita" para pressionar o reembolso mexicano, porque "a economia do México depende dos consumidores norte-americanos".

Donald Trump, vencedor das eleições presidenciais do passado dia 8 de novembro, será empossado a 20 de janeiro, numa cerimónia pública junto ao edifício do Capitólio, em Washington.


  • Marco Silva vai treinar o Watford

    Desporto

    O treinador português Marco Silva assinou contrato com o Watford, da Liga Inglesa. O emblema que terminou a última Premier League na 17ª posição, a última antes dos lugares de descida, ganhou assim a corrida ao Crystal Palace e ao FC Porto, que também tentaram contratar o técnico.

  • "A maior conquista foi construir estabilidade"
    2:14

    Economia

    António Costa voltou esta sexta-feira a garantir que a partir de junho nenhum subsídio de desemprego será inferior a 421 euros por mês. O primeiro-ministro falava nas jornadas parlamentares do PS, onde afirmou que a estabilidade é a maior conquista deste Governo.

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11
  • Uma foto para a história

    Mundo

    As mulheres dos líderes mundiais que se reúnem nas cimeiras da NATO posam para a fotografia oficial das primeiras-damas. A deste ano é histórica. Pela primeira vez, há um marido de um primeiro-ministro entre as nove mulheres. Trata-se de Gauthier Destenay, casado com o líder do Luxemburgo.