sicnot

Perfil

Mundo

Congresso dos EUA avança dinheiro para a construção do Grande Muro, garante Trump

© Mike Segar / Reuters

O Presidente eleito dos EUA afirmou hoje que o Congresso vai avançar com o dinheiro para a construção do muro anti-imigração na fronteira com o México para que a promessa eleitoral seja concretizada o mais rapidamente possível.

"Os media desonestos não dizem que o dinheiro que vai ser gasto na construção do Grande Muro (para ser rápido) será mais tarde reembolsado pelo México", diz Trump no Twitter.

A cadeia de televisão CNN avançava ontem que a equipa de transição de Trump tinha pedido aos responsáveis republicanos para financiarem o muro com dinheiros públicos já em abril.

A promessa de Trump de construir um "enorme, poderoso e belo muro" na fronteira sul dos Estados Unidos - com três mil quilómetros de comprimento - era constantemente citada nos seus comícios. Cada vez que Trump lançava a pergunta: "Quem vai pagar", a multidão entusiasta respondia sempre: "O México!".

O custo total do projeto não está determinado mas deverá ascender a vários mil milhões de dólares.

Para que a construção comece depressa, os responsáveis republicanos - das duas câmaras do Congresso e a equipa de transição de Trump - vão apoiar-se numa lei promulgada em 2006 pelo Presidente George W. Bush que autoriza a construção "de uma barreira física" na fronteira com o México.

Nunca posta em prática, esta legislação não prevê limite de tempo pelo que pode servir de base legal, com a condição de um posterior reembolso.

Os republicanos estão convictos de que a margem de manobra dos democratas em contrariar este assunto é muito limitada, dado que conta com a adesão de uma grande parte da população e o bloqueio no Congresso poderia dar origem a uma paralisia do Governo, com grandes custos políticos para os democratas.

Presidente do México diz que não paga

A 22 de outubro, durante a campanha eleitoral, Trump avisou que as autoridades mexicanas iriam ressarcir os Estados Unidos pelos custos envolvidos na construção do muro fronteiriço.

"Disse que o México pagaria o muro, no entendimento de que o país iria reembolsar os Estados Unidos pelo custo total desse muro", disse então o magnata do imobiliário, uma posição que reiterou hoje.

Antes, Trump tinha afirmado que seria o México a pagar diretamente a construção do muro.

Em agosto, em plena campanha eleitoral, o Presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, convidou os dois candidatos presidenciais norte-americanos, Donald Trump e a democrata Hillary Clinton, a visitarem o país.

Trump aceitou o convite e, nessa altura, garantiu que não discutiu com Peña Nieto qualquer questão sobre quem iria pagar o quê.

"Não discutimos o pagamento do muro, isso fica para uma data mais à frente", garantiu então.

Peña Nieto, por sua vez, escreveu na mesma altura no Twitter: "No início da conversa com Donald Trump, deixei claro que o México não vai pagar pelo muro".

As autoridades mexicanas já afirmaram por diversas ocasiões que não têm qualquer intenção de pagar um cêntimo que seja.

O congressista republicano Chris Collins afirmou hoje que Trump "tem todas as cartas que necessita" para pressionar o reembolso mexicano, porque "a economia do México depende dos consumidores norte-americanos".

Donald Trump, vencedor das eleições presidenciais do passado dia 8 de novembro, será empossado a 20 de janeiro, numa cerimónia pública junto ao edifício do Capitólio, em Washington.


  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Samsung vai vender modelos reparados do Galaxy Note 7

    Economia

    A Samsung Electronics anunciou hoje que vai vender e alugar telemóveis reparados do modelo Galaxy Note 7 depois de no ano passado a empresa ter decidido suspender a respetiva produção devido a incêndios nas baterrias de íon-lítio.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.